Já que a Ponte Preta escapou de punição pesada, que os reforços sejam bem calculados

Tribunal da CBF punir o clube com cinco jogos de portões fechados

por ARIOVALDO IZAC - Campinas

Já estão no ar três colunas. Memórias do Futebol lembra o quarto ano da morte de Pedro Rocha. Cadê Você cita Adaílton Ladeira como ponta-de-lança do Guarani. Em Anda Campinas, destaque para academia ao ar livre adaptada para deficientes na Vila União, em Campinas.

Dos males o menor à Ponte Preta, com punição de apenas cinco jogos de portões fechados no Estádio Moisés Lucarelli, em jogos pelo Campeonato Brasileiro da Série B, imposta pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva da CBF.

Punição por causa de arruaceiros que invadiram o gramado por ocasião do jogo contra o Vitória.

Após esse brando prejuízo técnico, mãos à obra senhores dirigentes.

Cuidado com o trânsito livre de empresários que empurram jogadores sem a devida qualificação para vestir a camisa da Ponte Preta.

Miram-se nos incontáveis erros do gerente de futebol Gustavo Bueno, para que a incidência de acertos seja maior.

Que tal darem uma especulada na boleirada que atuou no último Campeonato Brasileiro da Série B?

Dias atrás coloquei a minha seleção da Série B, que, em última análise, poderia ser analisada.

A rigor, alerta não faltou neste espaço para que não trouxessem o lateral-esquerdo João Lucas, que estava no Novorizontino, e foi sugerido avaliação criteriosa na contratação de meia Renato Cajá, que não jogada no Bahia.

ARIOVALDO IZAC
Jornalista esportivo há 35 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.
Veja perfil completo
Veja todos