Onde Anda: Júnior Baiano, ex-zagueiro de Sampa, Verdão e Flamengo

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 11 (AFI) - Poucos tiveram uma carreira tão cheia de títulos e polêmicas quanto Raimundo Ferreira Ramos Júnior, mais conhecido como Júnior Baiano. Com 39 anos e após defender clubes como São Paulo, Palmeiras, Flamengo, Vasco e Internacional, além da Seleção Brasileira, o defensor fecha sua carreira com a camisa 18 do Miami FC, time de Zinho, ex-meia de Flamengo, Palmeiras, Grêmio e Seleção.

Confira:
Onde Anda: Fabrício Carvalho, ex-atacante de Ponte e São Caetano

A carreira do polêmico zagueiro começou em 1989, com a camisa do Flamengo. Aproveitando-se de seu 1,95 m, ganhou destaque por marcar gols tanto de cabeça quanto em bolas paradas. No entanto, Júnior Baiano também era visto como bad boy. A fama o atrapalhou no começo da carreira.

Ele só começou a mudar esta postura em 1994, quando foi emprestado para o São Paulo. Sob comando de Telê Santana, virou titular no Morumbi e conseguiu uma transferência para o futebol alemão, onde defendeu o Werder Bremen. Voltou ao Brasil em meados de 96, para vestir pela segunda vez a camisa do Flamengo.

Seleção e a decepção em 98!
Sua volta fez com que Zagallo olhasse atentamente seu futebol. A grande fase pelo Flamengo, ao lado de Romário, fez Júnior Baiano ganhar uma chance como titular da Seleção Brasileira. Ganhou a posição de companheiro de Aldair no segundo semestre de 1997. Em sua primeira competição com a camisa amarela, foi campeão da Copa das Confederações.

Mas o que tinha para ser uma passagem histórica pelo Brasil virou decepção. Com a camisa 3, foi um dos principais fiascos da Seleção na Copa da França, em 98. Ficou marcado por fazer um pênalti em Tore Andre Flo, na derrota por 2 x 1 para a Noruega. A decepção foi tão grande que, após 25 partidas e dois gols marcados, o zagueiro nunca mais defendeu a camisa amarela.

O recomeço em São Paulo!
Júnior Baiano deixou o futebol carioca em 98 para mudar-se para São Paulo, comprado pela Parmalat e repassado ao Palmeiras. No Palestra Itália, conquistou a Libertadores de 99, sendo o artilheiro do time na competição, com cinco gols. No mesmo ano, foi vice-campeão mundial em 99, após a derrota para o Manchester.

Com a saída da Parmalat, deixou o Palmeiras e voltou ao Rio de Janeiro, para jogar no Vasco. Foi vice-campeão mundial em 2000, após derrota para o Corinthians, mas ganhou a Copa Mercosul e o Campeonato Brasileiro, ao lado de estrelas como Hélton, Juninho Paulista, Euller, Juninho Pernambucano e Romário.

A queda!
A passagem pelo Vasco foi o último grande suspiro da carreira de Júnior Baiano. Quando completou 30 anos, passou a perambular por vários clubes. Teve duas passagens pela China, pelo Shanghai Shenhua, além de defender as camisas de Internacional, por poucos meses, e Flamengo.

Júnior Baiano também defendeu as camisas de América-RJ, Brasiliense e Volta Redonda, além de uma curta passagem pelo Macapá. Desde janeiro deste ano, defende o Miami FC, na USL First Division, uma espécia de segunda divisão do futebol estadunidense.

Atualmente Junior Baiano, quando está no Rio de Janeiro, reúne com amigos na praia do Recreio e participa de jogos amadores. No final d mês, por exemplo, esteve no interior mineiro em um jogo festivo.

 
 
" />