'Todos tentam marcar o Suárez, nós marcaremos a bola', diz treinador do Equador

O capitão Gabriel Achilier, por sua vez, não deixou de fazer elogios ao ataque adversário deste domingo, mas se mostrou confiante

por Agência Estado

Campinas, SP, 15 - É comum que o treinador de qualquer seleção que enfrente o Uruguai se defronte com alguma pergunta sobre sua preocupação com o atacante Luis Suárez. O questionamento foi feito neste sábado ao comandante do Equador, o colombiano Hernán Darío Gómez, que respondeu de forma um tanto diferente.

"Todo mundo trata de marcar Messi ou Suárez, mas nós marcamos mais a bola e tentamos jogar um melhor futebol. Não é desrespeito pelos rivais, é um estilo", argumentou o técnico, em entrevista coletiva concedida no Mineirão, local do jogo deste domingo contra os uruguaios, às 19 horas, na estreia de sua seleção no Grupo C da Copa América.

"Não é uma falta de respeito o que vou dizer. Enfrentei jogadores em outras épocas como Ronaldinho, Ronaldo, Romário e Cafu... E com o maior de todos os respeitos, trato de fazer com que minha equipe marque mais a bola. Há uma bola só, e peço que minha equipe se concentre nela, e não nos jogadores rivais", explicou Gómez, que assumiu o cargo em agosto de 2018 e comanda a equipe equatoriana pela segunda vez - também a dirigiu de 1999 a 2004.

Foto: Divulgação / Comenbol
Foto: Divulgação / Comenbol

ADVERSÁRIO FORTE
O capitão Gabriel Achilier, por sua vez, não deixou de fazer elogios ao ataque adversário deste domingo, mas se mostrou confiante.

"Não é segredo que tanto Suárez como (Edinson) Cavani são jogadores capazes de desequilibrar qualquer jogo com suas potências, mas creio que temos características defensivas muito boas", garantiu ele.

JOGOS DECISIVOS
Mesmo reconhecendo a força uruguaia, o zagueiro do Monarcas Morelia, do México, afirmou que a estreia num torneio de tiro curto como a Copa América tem caráter decisivo.

"Vai ser fundamental arrancar ganhando. É um grande desafio e creio que, se conseguirmos isso, chegaremos com ainda mais confiança ao jogo seguinte", argumentou.