Copa América: Com lesão no joelho, atacante é cortado da seleção peruana

Pelo regulamento, o técnico Ricardo Gareca não poderá convocar um substituto para o jogador do Lokomotiv Moscou

por Agência Estado

São Paulo, SP, 24 - O atacante Jéfferson Farfán está fora da Copa América. A Federação Peruana de Futebol anunciou nesta segunda-feira o corte do jogador por causa de uma lesão no joelho esquerdo.

A entidade não revelou quando o atleta se machucou e qual a gravidade da contusão. E, pelo regulamento da competição, o técnico Ricardo Gareca não poderá convocar um substituto para o jogador do Lokomotiv Moscou.

Farfán teve o seu corte confirmado pouco depois de a seleção do Peru ter treinado no estádio do Pacaembu, em São Paulo, sem poder contar com o atleta.

Com uma lesão no joelho, o atacante Farfán (primeiro da direita) foi cortado da Copa América
Com uma lesão no joelho, o atacante Farfán (primeiro da direita) foi cortado da Copa América
Antes disso, ele fez dupla de ataque com Guerrero e atuou durante todo o jogo contra o Brasil, no último sábado, na Arena Corinthians, onde a equipe de Tite goleou o adversário por 5 a 0 na rodada final do Grupo A do torneio continental.

CHANCE DE SE REDIMIR
Guerrero, por sua vez, concedeu entrevista coletiva nesta segunda-feira antes do comunicado sobre Farfán e disse que a goleada sofrida para os brasileiros foi frustrante, mas ele celebrou o fato de que o Peru terá a chance de se redimir nas quartas de final da Copa América, no sábado, na Arena Fonte Nova, onde terá pela frente o líder do Grupo C da competição, que será definido na noite desta segunda.

"Decepção não está dentro do nosso contexto, frustração sim, mas não decepção. O futebol proporciona reviravoltas e temos a oportunidade de nos recuperarmos", afirmou o atacante e capitão peruano, no Pacaembu.

JÁ FOI
Ao comentar a derrota para a seleção brasileira, o jogador do Internacional também garantiu que o Peru não deixará a sua confiança ser abalada pelo resultado ruim do último sábado.

"Como para todos os peruanos, nos dói perder desta forma, mas temos um grupo competitivo, ganhador e que rapidamente se repõe. Teremos uma 'revanche' no sábado para fazermos melhor as coisas, corrigir os erros e o professor (Gareca) poderá fazer algumas alterações", disse.

ELENCO UNIDO
Perguntado se o grupo estava "rachado", Guerrero negou qualquer time de crise.

"O grupo sempre esteve unido, se mantém unido e tem de ser forte. Sou o capitão e nos dói que se digam essas coisas", ressaltou.

Para justificar o clima de união na seleção, Guerrero lembrou que todo o elenco se solidarizou com o goleiro Pedro Gallese, autor de um erro que propiciou o segundo gol da seleção brasileira, marcado por Firmino. O atleta se recuperou em parte ao defender o pênalti de Gabriel Jesus no fim do jogo, quando o placar já estava 5 a 0.

"Neste grupo todos se sentem identificados, todos conversamos muito e nós mesmos nos fortalecemos. Não só apenas eu como capitão, mas todo o grupo lhe passa confiança, pois nos salvou em muitas vezes."

PREPARAÇÃO
Gareca prepara a equipe que vai enfrentar o primeiro colocado do Grupo C, que será decidido no confronto desta segunda-feira, no Maracanã, entre Chile e Uruguai. Líderes da chave, os chilenos têm seis pontos, contra quatro dos uruguaios.

"Seria lindo enfrentar o Chile e o técnico Reinaldo Rueda (seu ex-treinador no Flamengo). Existe uma rivalidade histórica com o Chile, mas temos de nos prepararmos psicologicamente para quem for o classificado, sem importar o rival", disse Guerrero, se referindo à Guerra do Pacífico, ocorrida de 1879 a 1883, quando os chilenos enfrentaram forças conjuntas de Bolívia e Peru.

No final da guerra, o Chile anexou áreas ricas em recursos naturais de ambos os países. Os peruanos perderam a província de Tarapacá e os bolivianos tiveram de ceder a província de Antofagasta, ficando sem uma saída soberana para o mar.