Segundona: Pinho 'dá a letra' para o Catanduva: 'Fazer como o Athletico-PR fez'

Santo está na terceira colocação do Grupo 13 e só se classifica em caso de vitória sobre o Marília, fora de casa

por Agência Futebol Interior

Catanduva, SP, 20 (AFI) - O Catanduva chegou à rodada final do Grupo 13 com uma única conta: só avança ao mata-mata da Segundona Paulista em caso de vitória sobre o Marília. As equipes se enfrentam neste domingo, às 10h, no Abreuzão, em Marília.

O Santo está na terceira colocação da chave, com os mesmos sete pontos da Francana, que leva a melhor no saldo de gols, primeiro critério de desempate. O Tigrão lidera com nove, enquanto o Tupã, com seis, segura a lanterna.

Pinho, técnico do Catanduva
Pinho, técnico do Catanduva
Os dois melhores de cada grupo vão avançar às quartas de final, etapa na qual o time de melhor campanha somando todas as fases encara o de pior; o segundo pega o sétimo e assim por diante. Apenas os finalistas vão subir para o Paulista A3 de 2020.

FOCO NA VAGA
O técnico catanduvense, o experiente Pinho, que acumula acessos na Segundona, afirmou que seus comandados precisar se inspirar no Athletico-PR, que foi ao Beira-Rio, venceu o Internacional por 2 a 1 e levantou o título da Copa do Brasil.

"Fazer como o Athletico Paranaense fez lá em Porto Alegre: sangue no olho, dividir todas as bolas, voltar, marcar, sair, passar da linha da bola e estar concentrado. São onze contra onze. Não adianta um grande investimento, um grande time", disse.

"Futebol se decide ali, noventa minutos. Vai ganhar aquele que tiver mais concentrado, esse é o detalhe. Essa concentração, essa dedicação, precisa jogar com a cabeça. Não dá pra jogar só com as pernas. Se fizer isso, vai perder. A cabeça é muito importante nesse momento", completou.