Paulista A2: 'Não há favorito', diz zagueiro do XV sobre decisão contra a Inter

Após empate sem gols em Limeira, Douglas Marques espera jogo equilibrado em Piracicaba

por Agência Futebol Interior

Piracicaba, SP, 16 - Ao longo dos seus 33 anos, o zagueiro Douglas Marques tem no currículo acessos e títulos, como os conquistados por Santo André e Flamengo, além do futebol japonês,. Titular ao lado de Gilberto Alemão durante toda a campanha do XV de Piracicaba até aqui, o defensor se prepara visando mais uma decisão, agora pelo acesso à Série A1 do Paulistão

Às 19h00 do próximo sábado, 20, o Nhô Quim define, no Estádio Municipal Barão da Serra Negra, em Piracicaba, com a Internacional de Limeira, quem disputará a elite estadual em 2020. No primeiro embate, no último sábado, 13, no Limeirão, tudo igual: 0 a 0. Desta forma, as equipes entram em campo sem vantagem alguma no placar. Quem vencer, independente do marcador, chegará à final do Paulistão A2. Novo empate leva a decisão para os pênaltis.

“Não há favorito. Todos os jogos que nós encaramos aqui foram difíceis. Lá (em Limeira) nós enfrentamos um time muito bem treinado, montado e que se dedica bastante. Então, sabemos que será uma partida muito difícil. Claro que, com foco, empenho e o apoio do nosso torcedor, temos condições de obter o acesso. Porém, temos que nos entregar totalmente, se quisermos atingir esse objetivo. Será um duelo muito complicado”, analisou Douglas Marques.

Foto: Divulgação / XV de Piracicaba
Foto: Divulgação / XV de Piracicaba
EXPECTATIVA
Mesmo com o vasto currículo, o zagueiro não esconde a expectativa pela hora do embate, sem deixar de ressaltar a relevância dos treinamentos da semana. “Existe a ansiedade, a vontade que aconteça logo a partida. No entanto, são dias importantes para que trabalhemos bem e para o Tarcísio (Pugliese, técnico) acertar aquilo que precisa ser corrigido. Somente assim, chegaremos no sábado prontos para uma boa atuação em busca da nossa meta”, comentou.

Douglas Marques se recorda de sua chegada ao clube no início do ano, depois de um 2018 em que pouco jogou. “Vivo um instante de muita felicidade. O XV me acolheu, assim como meus companheiros. Vinha de um período de inatividade e, tanto a diretoria quanto os jogadores, me deram todo o respaldo. Aqui me sinto em casa e agradeço todos os dias ao Ivo (Secchi, auxiliar-técnico), ao Tarcísio e ao Ronaldo, com quem já tinha atuado, pela oportunidade”, externou.