Vaquinha e ajuda da Câmara: XV busca recursos para pagar belgas e não ser rebaixado

Dívida quinzista envolve atacante Paulinho, ex-Flamengo, negociado pelo clube paulista ao Ludogorets, da Bulgária

por Agência Estado

Piracicaba, SP, 09 (AFI) - O XV de Piracicaba está correndo atrás de patrocinadores e contando até com a ajuda de torcedores, que organizaram uma "vaquinha", na tentativa de conseguir 50 mil euros (cerca de R$ 210 mil). Este valor terá de ser pago até o próximo dia 15 devido à condenação por parte da Fifa envolvendo o atacante Paulinho, ex-Flamengo, negociado pelo clube paulista ao Ludogorets, da Bulgária.

Caso não efetue o depósito no prazo, o XV poderá perder pontos e ser rebaixado automaticamente da série A2 para a A3 do Campeonato Paulista de Futebol. A diretoria do clube foi notificada oficialmente neste mês sobre a situação, a qual não cabe mais recurso, e para conseguir o dinheiro tem apelado até à prefeitura de Piracicaba.

Para chegar ao valor devido, foi levada em conta a dívida que o clube parcelou e não cumpriu, além de multa e custas do processo.

Paulinho jogou pelo XV entre 2010 e 2013. (Foto: Michel Lambstein / XV de Piracicaba)
Paulinho jogou pelo XV entre 2010 e 2013. (Foto: Michel Lambstein / XV de Piracicaba)

Paulinho esteve vinculado ao XV entre os anos de 2010 e 2013, mas em 2012 foi emprestado sem custos ao time búlgaro de onde retornou pouco depois alegando problemas. Mas foi o próprio Ludogorets que acionou a Fifa com o argumento de prejuízo no negócio, pois teria ocorrido "violação essencial do contrato de trabalho".

A partir daí foi travada uma disputa que culminou com o acordo para o pagamento do débito. O problema é que o XV dividiu em cinco vezes a dívida e quitou apenas uma das parcelas.

CRISE
O departamento jurídico do clube garante que continuam sendo buscados recursos para resolver a pendência e evitar a punição. Até a Câmara de Vereadores da cidade se juntou para ajudar o XV "que está em estado gravíssimo, na UTI", como disse o vereador Capitão Gomes (PP) na sessão desta semana. Ele e outros parlamentares têm se reunido com empresários e entidades para pedir ajuda ao time local.

Paulinho, que também foi condenado a pagar 21 mil euros (R$ 88 mil), está hoje ligado ao Vitória (BA), mas a maior parte de seus direitos, 60%, pertencem ao Flamengo e os outros 40% a um grupo de empresários.