Time do Brasileirão é investigado por suspeita de escalação irregular de jogador

Equipes que brigam contra o rebaixamento levantaram uma possível irregularidade em cima de Clayton, não na visão de advogados

por Agência Futebol Interior

Rio de Janeiro, RJ, 18 (AFI) - O Vasco da Gama será investigado por possível escalação irregular do atacante Clayton, fato que, se comprovado, levará ao clube a perder pontos importantes na luta contra o rebaixamento do Campeonato Brasileiro. O boato foi levantado por dirigentes de clubes da parte de baixo da tabela, mas parece não preocupar a equipe carioca. Procurado pelo Portal Futebol Interior, o advogado Osvaldo Sestário Filho,especializado em Direito Desportivo não vê irregularidade por parte do Cruz-maltino.

CASO CLAYTON

Clayton é jogador do Atlético Mineiro, mas iniciou a temporada pelo Bahia. No Tricolor, ficou dez jogos do Brasileirão no banco de reservas e entrou em campo no empate sem gols diante da Chapecoense, no dia 28 de julho, na Arena Condá, já nos minutos finais.

Em agosto, o atleta foi devolvido ao Atlético Mineiro e ficou dois jogos no banco de reservas (Athletico Paranaense e Bahia), antes de ser novamente emprestado, desta vez, ao Vasco da Gama. Em ambas as oportunidades, ele não entrou em campo.

Pelo Vasco, Clayton fez sete partidas, tendo estreado na derrota, por 2 a 0, para o Bahia, em São Januário, no dia 7 de setembro. Sendo assim, atuou no mesmo Brasileirão por duas equipes e ficou no banco por uma. No entanto, o regulamento parece quebrar qualquer possibilidade de punição ao clube.

IRREGULARIDADE?

Ao analisar o caso de Clayton, Sestário se baseou nos seguintes artigos do Regulamento Geral das Competições (RGC) para opinar de forma negativa á qualquer tipo de irregularidade envolvendo o atacante.

Na visão de Sestário, Clayton está em situação regular no Vasco - Rafael Ribeiro/Vasco
Na visão de Sestário, Clayton está em situação regular no Vasco
"Entende-se por atuar o ato do atleta entrar em campo para a disputa da partida, desde o seu início ou no decorrer dela ou quando apenado pelo árbitro ou pela Justiça Desportiva", diz o artigo IV.

"O retorno de empréstimo não é considerado transferência e não se enquadrará nos limites estabelecidos no parágrafo terceiro do Artigo 13 deste Regulamento", diz o parágrafo 1, do artigo 39, do Regulamento de Transferências.

SUSPEITA

A suspeito viralizou por ser interpretado, de maneira provavelmente equivocada, dos seguintes artigos:

"O atleta que já tenha atuado por 2 (dois) outros Clubes durante a temporada, em quaisquer das competições nacionais coordenadas pela CBF e integrante do calendário anual, não pode atuar por um terceiro Clube, mesmo que esteja regularmente registrado", diz o artigo 46 (RGC).

"Um atleta poderá, após o início do Campeonato, se transferir para outro clube da Série A, desde que tenha atuado em um número máximo de 6 (seis) partidas pelo clube de origem, sendo permitido que cada atleta mude de clube apenas uma vez", diz o artigo 11 do regulamento específico do Brasileirão.

CONCLUSÃO

Conforme análises do regulamento, tudo leva a crer na inocência do Vasco, já que Clayton não entrou em campo (atuou) pelo Atlético Mineiro no Brasileirão e se transferiu apenas para dois times (Bahia e Vasco), já que o 'retorno de empréstimo não é considerado transferência'.

No entanto, caso apareça outras provas que possam contrariar o regulamento, o Vasco da Gama poderá perder três pontos por partida que Clayton esteve em campo, além do pagamento de uma multa.

Atualmente o Vasco é o décimo colocado, com 44 pontos, contra 36 do Fluminense, o primeiro dentro da zona de rebaixamento.