Sem receber, elenco do Paraíso faz greve que pode levar à exclusão do Tocantinense

Situação é resultado da falta de apoio da Federação Tocantinense de Futebol, entidade presidida por Leomar Quintanilha desde a fundação

por Agência Futebol Interior

Palmas, TO, 09 (AFI) - Lanterna do Campeonato Tocantinense com apenas dois pontos, o Paraíso vive momentos conturbados também fora de campo. Isso porque o elenco está em greve desde o dia 30 de abril por conta de atrasos salariais que já duram quase dois meses. Essa, inclusive, não é a primeira vez que o grupo paralisa as atividades.

Um dos motivos para o cenário vivido pelo Paraíso é a falta de apoio da Federação Tocantinense de Futebol (FTF), entidade presidida por Leomar Quintanilha desde a sua fundação, em 7 de abril de 1990. Em 30 de abril, ele foi reeleito para mais um mandato quadrienal, o qual irá vigorar entre 2019 e 2023.

Leomar Quintanilha comanda a FTF desde 1990
Leomar Quintanilha comanda a FTF desde 1990
MAIS SOBRE O PARAÍSO
Entre 23 e 26 do mês passado, os jogadores e a comissão técnica pararam os trabalhos por conta da falta de pagamentos.

Na ocasião, chegou-se um acordo para retomar as atividades. Motivados por esses problemas, três jogadores - Aranha (volante), Lucas (atacante) e Jadson (meia) - já se desligaram do clube.

Agora, o grupo ameaça não entrar em campo na noite desta quarta-feira, quando tem partida agendada diante do Interporto. De acordo com o artigo 19 do Regulamento Geral, caso o clube deixe de comparecer ao jogo, será excluído da competição e passará a registrar-se o placar de 3 a 0 (WO) para os adversários. A diretoria afirma que vem se esforçando para fazer o acerto, mas não saber se conseguirá pagar antes do jogo .