Presidente de clube do Paulista A2 revela que poderá ter 'quase todo o elenco de volta'

Taubaté aparece na segunda colocação, com 21 pontos, um abaixo do líder São Bernardo FC, após 12 rodadas

por Agência Futebol Interior

Taubaté, SP, 11 (AFI) - Com o iminente retorno do Paulistão, os clubes que disputam o Campeonato Paulista da Série A2 já se atentam para uma possível volta. Com o Taubaté, não é diferente. Segundo o presidente alviazul, o ex-atacante Gilsinho, o Burro da Central seguirá forte na busca pelo acesso.

“A gente tem colocado jogadores no radar. Todos os jogadores já encerraram seus contratos em abril, mas através do Carlito (Carlos Arini, diretor de futebol) passamos nosso plano de conseguir trazer a maioria ou quase todos os jogadores caso o campeonato retorne. E estamos tendo uma boa aceitação. Retornando o campeonato, a possibilidade de a gente trazer quase todo o elenco de volta é muito grande, então, a gente seguiria muito forte em busca do acesso”, afirmou o dirigente à Rádio JSV.

Foto: Bruno Castilho / EC Taubaté - Foto: Bruno Castilho / EC Taubaté
Foto: Bruno Castilho / EC Taubaté
A equipe taubateana aparece na segunda colocação, com 21 pontos, um abaixo do líder São Bernardo FC, após 12 rodadas da primeira fase, e dentro do grupo de classificação às quartas de final do Paulista A2. Por outro lado, Penapolense e Votuporanguense, com nove, formam a zona de rebaixamento.

“Ele (Carlos Arini) me questionou como a gente conseguiria traçar o plano de volta. Eu falei: ‘Não tem como a gente garantir que vai ter uma volta aos treinamentos no dia primeiro de julho e fechar contratos com os jogadores sem saber se vai dar certo esse laboratório da Série A1”. É um risco muito grande para o clube. Vamos elaborar melhor esse plano a partir do momento que a gente ver que Série A1 está começando a andar”, contou.

“Os jogadores encerraram as atividades no dia 15 de março, então fizemos um acordo com os jogadores para pagar 50% dos salários de março na semana que vem e no retorno eles receberiam o restante de março, os 15 dias que não foram trabalhados. E abril seria o mês do campeonato, então nós pagaríamos o mês ficaram parados quando o campeonato retornasse. Isso também vai facilitar a negociação dos jogadores”, encerrou.