Copa Paulista: Taubaté sonha com vaga em competições nacionais

O técnico Marcelo Martelotte sabe que esse objetivo ainda está distante e prefere adotar uma postura mais cautelosa

por Confederação Brasileira de Futebol (CBF)

Taubaté, SP, 02 (AFI) - Até onde pode ir o sonho de um clube de futebol? A resposta é difícil, ainda mais para o Taubaté, do interior de São Paulo, que tem superado as expectativas na Copa Paulista. O torneio, organizado pela FPF, dá duas vagas em competições nacionais na próxima temporada, que parecem cada vez mais alcançáveis ao clube, atualmente sem divisão no Campeonato Brasileiro.

O técnico Marcelo Martelotte sabe que esse sonho ainda está distante, e prefere adotar uma postura mais cautelosa. A ideia do Taubaté era, em um primeiro momento, usar o torneio para testar o elenco, pensando já no ano que vem. Mas os resultados mudaram a perspectiva do clube. Na primeira fase, classificação antecipada, com sete vitórias em 12 jogos.

"A partir do momento que a gente teve a campanha acima do esperado na primeira fase, é lógico que cria-se uma expectativa para conquistar a vaga. Mas não temos falado sobre essa situação, e, sim, pensado jogo a jogo", frisou.

Na estreia da segunda fase, o Burro da Central, como é conhecido, conseguiu um empate jogando fora de casa contra o XV de Piracicaba. Ao fim da competição, serão distribuídas duas vagas aos melhores colocados. O campeão escolhe entre disputar a Série D ou a Copa do Brasil, e o vice fica com a restante.

Foto: Bruno Castilho/ECT
Foto: Bruno Castilho/ECT

Apesar do bom desempenho, Martelotte prefere manter os pés no chão. Ao assumir um trabalho de médio prazo no time, estipulou como meta o acesso à elite do Campeonato Paulista. É evidente, porém, que uma vaga na Copa do Brasil ou na Série D cairiam feito uma luva para o clube. Na Copa do Brasil, a premiação pela participação pode ajudar o clube financeiramente. E o Brasileiro apresenta um exemplo que encoraja o Taubaté.

Atual campeão da Série C, o Operário estava sem divisão até 2016, quando venceu a Taça FPF, da Federação Paranaense. Conquistou, assim, uma vaga na Série D, e não parou de subir. Ganhou as duas divisões do Brasileiro e garantiu sua participação na Série B de 2019. Apesar do exemplo otimista, Martelotte reconhece que o caminho ainda é longo.

"Recolocar o Taubaté na Série A-1 do Campeonato Paulista seria um objetivo enorme e muito favorável. Depois você começar a pensar nas Séries do Campeonato Brasileiro, nesse aspecto a gente ainda tem evoluído, ainda estamos caminhando", disse.

MOLEQUE DO VALE
Aos 50 anos de idade, o técnico preferiu abraçar um projeto de sua cidade de infância a se aventurar por outros clubes do país. Assediado por times da Série C e B durante a temporada, Marcelo Martelotte não quis deixar o comando do Taubaté e sua relação com a torcida do Burro.

Ciente das restrições financeiras do clube, o treinador acredita na seriedade do trabalho implantado e valoriza o contato especial que tem com a cidade, onde começou a carreira como jogador profissional.

"Para mim tem sido muito gratificante, voltar a Taubaté, a cidade onde eu moro, que me abriu as portas. Temos objetivos bem traçados. Vivo aqui há 50 anos, só saí por causa do futebol. É diferente", finalizou.

 
 
" />