Seleção FI da Série A2 tem domínio bugrino e 'overdose de Brunos'

Time ideal do Futebol Interior, escalado com o auxílio da imprensa de todo o Estado, conta com quatro nomes do Guarani

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 09 (AFI) – O Campeonato Paulista da Série A2 chegou ao fim no último sábado, com o Guarani coroando o acesso com o título, após uma goleada por 4 a 0 sobre o Oeste, na final. Por isso, depois de uma grande campanha, o Bugre é a equipe com mais representantes na Seleção FI da Série A2. Duas cententas de pessoas votaram na eleição do FI.

O time ideal do Futebol Interior, escalado com o auxílio da imprensa de todo o Estado, conta com quatro nomes bugrinos, incluindo o técnico Umberto Louzer. Oeste, São Bernardo e XV de Piracicaba emplacaram dois representantes cada. Entre os times que não foram finalistas, apenas Taubaté e Nacional conseguiram atletas escalados. Destaque também para a dose quádrupla de Brunos: Ré, Nazário, Mendes e Xavier.

Confira a Seleção Futebol Interior da Série A2:

Daniel (São Bernardo);

Lenon (Guarani), Leandro Amaro (Oeste), Dogão (São Bernardo) e Bruno Ré (Taubaté);

Gilson (XV de Piracicaba), Lídio (Oeste), André Cunha (XV de Piracicaba) e Bruno Nazário (Guarani);

Bruno Mendes (Guarani) e Bruno Xavier (Nacional).

Técnico: Umberto Louzer (Guarani).

______________________________________________________________________________________

Foto: Anderson Lira
Foto: Anderson Lira

Goleiro: Daniel (São Bernardo)
Com muita experiência, mostrou qualidade durante toda a disputa e foi um dos responsáveis pelo fato do São Bernardo terminar a primeira fase com a melhor defesa. Foram apenas 11 gols sofridos. Após jogar a primeira semifinal, sendo derrotado por 2 a 1, ficou de fora da grande decisão por conta de uma suspensão e viu de fora o time perder por 3 a 2.

______________________________________________________________________________________

Foto: Letícia Martins / GuaraniPress
Foto: Letícia Martins / GuaraniPress


Lateral-direito: Lenon (Guarani)
Um dos remanescentes do acesso à Série B em 2016, Lenon já tem bastante tempo de casa do Guarani e desde então vem sedo titular. Mais uma vez, fez um campeonato consistente e foi importante parra mais um acesso, desta vez coroado com título.

______________________________________________________________________________________

Foto: Assessoria Oeste
Foto: Assessoria Oeste

Zagueiro: Leandro Amaro (Oeste)
O Oeste foi um time muito bem articulado defensivamente pelo técnico Roberto Cavalo e a experiência de Leandro Amaro fez toda diferença para alcançar essa solidez. O zagueiro liderou o setor com muita competência e mostrou raça nos momentos mais complicados durante a competição.

______________________________________________________________________________________

Foto: Anderson Lira
Foto: Anderson Lira

Zagueiro: Dogão (São Bernardo)
Com muita segurança, colocou ordem na defesa do São Bernardo, a melhor da primeira fase, com apenas 11 gols sofridos. Preciso nos desarmes e eficiente na boa aérea, fez a diferença quando o time do ABC paulista precisou se segurar diante de adversário mais agressivos.

______________________________________________________________________________________

Foto: Caíque Toledo / EC Taubaté
Foto: Caíque Toledo / EC Taubaté

Lateral-esquerdo: Bruno Ré (Taubaté)
Um dos únicos representantes de um time que não se classificou às semifinais, Bruno Ré mostrou muita eficiência em suas subidas ao ataque e foi muito importante para o Taubaté, que brigou pela classificação e terminou em sétimo lugar. Marcou quatro gols e contribuiu com seis assistências.

______________________________________________________________________________________

(Foto: Evandro Pelligrinotti / XV de Piracicaba)
(Foto: Evandro Pelligrinotti / XV de Piracicaba)

Volante: Gilson (XV de Piracicaba)
Assumiu a titularidade na reta final , após o XV sofrer uma derrota por 4 a 1 para o Sertãozinho, e foi peça essencial para reação do time. Com muita força na marcação, Gilson ajudou o time a construir uma sequência de seis jogos sem derrota, que rendeu a classificação às semifinais. A derrota só veio no jogo decisivo, contra o Guarani, apesar da boa atuação quinzista.

______________________________________________________________________________________

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Volante: Lídio (Oeste)
Com muita qualidade na marcação, chegou até a ser improvisado como zagueiro e correspondeu muito bem. Incansável, desfalcou o time em apenas um dos 18 jogos disputados pelo Rubrão na Série A2, com status de titular absoluto. Também é dono de um bom passe e marco um gol, apesar de não chegar tanto próximo da área.

______________________________________________________________________________________

Foto: Michel Lambstein
Foto: Michel Lambstein

Meia: André Cunha (XV de Piracicaba)
Aos 39 anos, mostrou o quanto a experiência pode ser importante em uma competição como a Série A2. Foi o cérebro do meio de campo alvinegro e fez gols importantes na reta final da primeira fase. Ficou de fora dos dois jogos das semifinais contra o Guarani. Se tivesse jogado, nada é garantido, mas certamente a história poderia ser diferente.

______________________________________________________________________________________

Foto: Letícia Martins / Guarani Press
Foto: Letícia Martins / Guarani Press

Meia: Bruno Nazário (Guarani)
Com uma técnica apurada, fez a diferença em boa parte dos jogos do Guarani. Mostrou muitos recursos, com habilidade e poder de decisão, aparecendo em momentos importantes, sempre como referência mo meio de campo. De certa forma, herdou a responsabilidade do ídolo Fumagalli, que foi reserva durante a disputa da A2 e se aposentou após a final.

______________________________________________________________________________________

Foto: Letícia Martins / Guarani Press
Foto: Letícia Martins / Guarani Press

Atacante: Bruno Mendes (Guarani)
Identificado com a torcida por ser cria da base, voltou no ano passado para a disputa da Série B e, atrapalhado por lesões, acabou não rendendo tanto. Neste ano, mostrou faro de gol durante toda a disputa da Série A2 e terminou como vice-artilheiro, com nove gols marcados em 16 jogos.

______________________________________________________________________________________

Foto: Ale Vianna / Nacional AC
Foto: Ale Vianna / Nacional AC

Atacante: Bruno Xavier (Nacional)
Foi o artilheiro da competição, com dez gols marcados em 15 jogos disputou. O Nacional deixou a classificação para a segunda fase escapar nas rodadas finais, mas isso não apaga o grande trabalho feito pelo atacante, que mostrou presença de área e muito poder de decisão. Tudo isso com 21 anos e um futuro promissor pela frente.

______________________________________________________________________________________

Foto: Letícia Martins / Guarani Press
Foto: Letícia Martins / Guarani Press

Técnico: Umberto Louzer (Guarani)
Em sua primeira experiência como técnico em um time profissional, Louzer não poderia ter começado melhor. Conseguiu fazer o que técnicos com mais experiência não conseguiram nos últimos quatro anos. Depois de alguns ajustes, encontrou o time ideal e insistiu nele, além de contar com nomes de confiança no banco de reservas, sempre bem utilizados, como Denner e Fumagalli.