FI escala Seleção do Paulistão com destaques para Palmeiras e Corinthians

O grande campeão ficou com quatro jogadores e o técnico Fábio Carille, enquanto o adversário teve outros cinco atletas

por Agência Futebol Interior

São Paulo, SP, 09 (AFI) - Está feito: o Futebol Interior selecionou dos melhores jogadores do Campeonato Paulista para Seleção de toda a competição. Destaque é para os dois finalistas deste ano. O Corinthians, grande campeão da temporada ficou com quatro jogadores e o técnico Fábio Carille, enquanto o Palmeiras teve outros cinco atletas. O São Paulo ficou representado pelo zagueiro Arboleda e o Santos com o atacante Gabriel Barbosa, o Gabigol. Duas cententas de pessoas votaram na eleição do FI.

Borja, artilheiro da competição com sete gols, é o grande destaque da Seleção do Futebol Interior, já que teve que enfrentar toda a desconfiança no início da temporada. Cássio, que também vinha sendo questionado pelos torcedores rivais, mostrou que tem estrela na fase final e defendeu pênaltis decisivos para garantir a taça no Parque São Jorge.

CONFIRA A SELEÇÃO DO PAULISTÃO FUTEBOL INTERIOR:

Cássio (Corinthians);
Marcos Rocha (Palmeiras), Balbuena (Corinthians), Arboleda (São Paulo) e Victor Luís (Palmeiras);
Felipe Melo (Palmeiras), Maycon (Corinthians), Rodriguinho (Corinthians) e Lucas Lima (Palmeiras);
Borja (Palmeiras) e Gabriel Barbosa (Santos).

Técnico: Fábio Carille (Corinthians).

Goleiro: Cássio (Corinthians)

Se havia alguma dúvida sobre a qualidade técnica do jogador, Cássio deixou claro na reta final do Campeonato Paulista que merece estar entre os melhores da posição. Defendeu as penalidades no mata-mata, que eliminou o São Paulo e consagrou o título do Corinthians em plena Allianz Arena. Graças à marcação, foi pouco exigido, mas sempre que aparece foi muito bem. Caminha para estar na lista de Tite para a Copa do Mundo.

Lateral: Marcos Rocha (Palmeiras)

Chegou no Palmeiras para solucionar a lateral direita e se tornou um dos pilares do time. Marcos Rocha lidera praticamente todas as estatísticas entre os jogadores da posição. Tem bom posicionamento defensivo, dá segurança na marcação com os desarmes, e ainda aparece muito bem no ataque. Quando tem liberdade, faz uma dobradinha com Dudu pela direita que costuma incomodar a marcação adversária.

Zagueiro: Balbuena (Corinthians)

Segue como um dos jogadores mais regulares do futebol brasileiro. Seguro, o jogador demonstra solidez na marcação e coordena o setor corintiano, que já passou por modificações (Pablo, depois Pedro Henrique e agora Henrique) e ainda assim manteve sua consistência. O paraguaio destoa dos demais jogadores da posição.

Zagueiro: Arboleda (São Paulo)

Sofreu na última temporada com um sistema defensivo frágil, mas ainda assim já se sobressaiu dos companheiros. O equatoriano sofreu com as mudanças no São Paulo, já que Anderson Martins se lesionou, Rodrigo Caio foi convocado e Bruno Alves alternou foi ganhando espaço. E mesmo com trocas conseguiu organizar o setor e terminou a competição como um dos jogadores mais regulares.

Lateral: Victor Luís (Palmeiras)

Outra solução pontual do Palmeiras para a lateral esquerda. Chegou para ser reserva de Diogo Barbosa, mas acabou assumindo a titularidade depois de uma lesão do companheiro. Aos poucos foi ganhando espaço, deixou de ser questionado para ser uma realidade. Acertou a marcação e deu segurança pelo setor, além de ser uma arma importante para dar velocidade nos contra-ataques.

Meia: Felipe Melo (Palmeiras)

Ouvir críticas construtivas e reavaliar sua postura dentro e fora de campo foi o principal acerto de Felipe Melo para a temporada. Muito mais tranquilo, o volante foi fundamental para a marcação do Palmeiras no meio de campo, liderou o grupo em momentos importantes da temporada e foi expulso no primeiro jogo da final. Erro que custou caro. Fez falta na grande decisão, já que Moisés não conseguiu dar a mesma segurança para os zagueiros.

Meia: Maycon (Corinthians)

Cresceu demais na fase decisiva do Campeonato Paulista. O jovem volante corintiano anulou a marcação do Palmeiras na grande final e ainda auxiliou nas criações de jogadas. Bateu o pênalti decisivo, que manteve a taça no Parque São Jorge. Durante a primeira fase demorou para se consolidar, mas ainda assim merece estar entre os melhores da competição.

Meia: Rodriguinho (Corinthians)

Talvez o jogador mais decisivo com a camisa corintiana. Incrível como ele cresceu na reta final. Mesmo sendo questionado por uma parte da torcida por suas atuações no início da temporada, Fábio Carille manteve o camisa 26 e mostrou que estava certo. Fez o gol contra o São Paulo, que decretou a classificação, e depois voltou a marcar no jogo decisivo com o Palmeiras. Tem estrela e entrou para a história do clube.

Meia: Lucas Lima (Palmeiras)

Chegou como uma das contratações mais badaladas do Palmeiras nesta temporada – até porque veio de um rival. Não demorou muito para se consolidar: chegou, marcou gols, deu assistências e contribuiu muito para o jogo ofensivo de Roger Machado. Por outro lado, deixa a desejar na recomposição e tomou algumas escolhas equivocadas na reta final. Vai ficar marcado pelo pênalti perdido na final, mas ainda assim merece estar na Seleção.

Atacante: Borja (Palmeiras)

Com tempo e oportunidade no time titular, o colombiano se mostrou como uma joia a ser lapidada no Palmeiras. Tem muita raça e não desiste facilmente das jogadas. Não à toa terminou como artilheiro isolado do Campeonato Paulista com sete gols. Se atira na bola, sempre quer deixar a sua marca. É um centroavante nato e a principal estrela do alviverde neste primeiro semestre.

Atacante: Gabriel Barbosa (Santos)

Assim como o seu companheiro na Seleção, Gabriel Barbosa chegou ao Santos desacreditado e não vinha desempenhando o seu melhor futebol. Mas tudo mudou quando vestiu a camisa do time da Vila. Não poupou esforços para deixar a sua marca, mostrou que ainda tem faro de gol e deve ser a estrela do clube para o restante da temporada. É importantíssimo no sistema de jogo de Jair Ventura.

Técnico: Fábio Carille (Corinthians)

Primeiramente é importante dar ‘bom noite’ para o treinador. Brincadeiras à parte, longe de polêmicas, Fábio Carille mais uma vez mostrou que tem estrela. Conseguiu acertar o time do Corinthians mesmo com as mudanças no elenco e as novas peças que a diretoria trouxe. Manteve o padrão de jogo e acertou o time principalmente nos clássicos. É bicampeão e já é um dos maiores vencedores da história do clube.