Há 50 anos, Seleção Brasileira estreava na Copa do Mundo de 70

Considerado um dos melhores times da história do futebol, Brasil conquistava seu terceiro título mundial

por Federação Paulista (FPF)

Campinas, SP, 03 (AFI) - Há exatamente 50 anos, a Seleção Brasileira escrevia mais um importante capitulo de sua história de glórias e conquistas. No dia 3 de junho de 1970, o Brasil estreava na Copa do Mundo disputada no México. A equipe canarinho iniciava o caminho no que seria seu terceiro título mundial, encantando o mundo com um dos melhores times da história do futebol. Liderada por Pelé e contando com nomes como Tostão, Rivellino, Gérson, Jairzinho, Carlos Alberto Torres –além do técnico Zagallo– o Brasil assombrou o planeta com jogos inesquecíveis e uma equipe que está imortalizada no esporte.

Pertencente ao Grupo C da competição, o Brasil tinha a companhia de Inglaterra, Romênia e a antiga Tchecoslováquia, que seria a seleção da primeira partida da seleção. A trajetória brasileira começaria com a forma que faria o futebol nacional ser conhecido: na ginga e talento puro dos atletas.

A ESTREIA DO BRASIL
Em um estádio Jalisco, em Guadalajara, completamente lotado com a expectativa de ver a seleção brasileira, os mexicanos não se decepcionaram com a partida bem jogada pelas duas equipes, com lances de habilidade demonstrações de talento.

Há 50 anos, Seleção Brasileira estreava na Copa do Mundo de 70
Há 50 anos, Seleção Brasileira estreava na Copa do Mundo de 70
Logo nos dez primeiros minutos, Pelé perdeu um gol livre e sem goleiro após cruzamento de Rivellino. Os adversários responderam rapidamente com Ladislav Petrás, que abriu o placar para a Tchecoslováquia e colocou fogo de vez na partida. Jogando de forma ainda mais ofensiva, o Brasil chegou no gol de empate aos 24 minutos da etapa inicial, com uma bela falta cobrada por Rivellino, que ganhou o apelido de ‘Patada Atômica’ por parte dos mexicanos.

No primeiro tempo, ainda teve tempo para uma das jogadas mais inesquecíveis da história das Copas. Aos 42 minutos, Pelé percebeu o goleiro adversário adiantado e arriscou um belo chuta do meio-campo. O lance surpreendente, que demonstrou toda a genialidade do craque, encobriu o goleiro e e não entrou por um centímetros.

Já aos 15 minutos da etapa complementar, Gérson honrou o apelido de ‘canhotinha de ouro’ e faz um lançamento de quase 40 metros para Pelé, que apenas teve o trabalho de dominar e chutar ao gol, fazendo o gol da virada do Brasil. Três minutos depois, a estrela de Gérson novamente brilhou, e em novo lançamento de 40 metros, deixou Jairzinho cara a cara com o goleiro. O atacante, 'Furacão da Copa', deu um chapéu no goleiro, dominou no peito e faz o terceiro brasileiro. Fechando o placar, mais um golaço de Jairzinho. O atleta dominou na intermediária, driblou três marcadores e em chute cruzado, definiu o resultado por 4 a 1.

CAMPANHA
Nas duas partidas restantes na fase de grupos, mais vitórias. O Brasil derrotou a Inglaterra, então campeã mundial, por 1 a 0 e venceu a Romênia por 3 a 2 para confirmar a liderança na chave e os 100% de aproveitamento na competição.

Já na fase mata-mata, o Brasil despachou o Peru por 4 a 2 e o Uruguai por 3 a 1, se classificando para a final. Na decisão, uma goleada impiedosa, por 4 a 1, em cima da Itália, imortalizando de vez a equipe liderada por Pelé, que trouxe o tri mundial para a Seleção Brasileira.

FICHA TÉCNICA
Brasil 4 x 1 Tchecoslováquia -
Estreia da Copa do Mundo de 1970
Data: 03 de junho de 1970;
Estádio: Jalisco, em Guadalaraja;
Público: 52.897;
Árbitro: Ramón Barreto (Uruguai);
Gols: Petras, aos 11min, e Rivelino, aos 24min do primeiro tempo. Pelé, aos 14, e Jairzinho, aos 26 e aos 38min do segundo tempo.

Brasil: Felix, Carlos Alberto, Piazza, Brito e Everaldo, Clodoaldo, Gerson (Paulo César Caju), Tostão, Rivelino, Jairzinho e Pelé. Treinador: Zagallo.

Tchecoslováquia: Viktor, Dobias, Migas, Hagara e Horvath, Kuna, Hrdlicka (Kvasnak), Frantisec Vesely (Bohumil Vesely), Petras, Adamec e Jokl. Treinador: Jozef Marko.

Natanael Oliveira, especial para a FPF