Após cogitar desistir da Série D, São Caetano vai do fundo do poço ao acesso

O segredo para o sucesso repentino está na adaptação rápida ao cenário imposto pela covid-19

por Agência Estado

São Paulo, SP, 15 - O São Caetano "renasceu" - ou ao menos teve seu ânimo revigorado - após conquistar o título da segunda divisão do Campeonato Paulista e garantir a volta à elite do futebol estadual. Uma guinada radical. A pandemia do novo coronavírus por pouco não frustrou a temporada da equipe do ABC, que, em abril, comunicou sua desistência da Série D do Campeonato Brasileiro por causa de problemas financeiros - reviu sua posição e está no campeonato.

O segredo para o sucesso repentino está na adaptação rápida ao cenário imposto pela covid-19 e no sucesso de um elenco jovem, formado por garotos da base.

É o que pensa Carlos Silva, administrador de futebol do São Caetano. "A princípio, montamos um time para não cair para a Série A3, mas, conforme a competição foi se desenrolando, vimos que tínhamos chances reais de subir. Então, reformulamos o elenco. Fizemos escolhas rápidas e pontuais. Nossa categoria de base nos forneceu 14 jogadores, o que nos ajudou bastante", disse ao Estadão.

São Caetano foi campeão da Série A2. Foto: Leonardo Lima
São Caetano foi campeão da Série A2. Foto: Leonardo Lima
O ingresso dos juniores na equipe principal foi bem conduzido. Isso porque, segundo Carlos, o São Caetano tinha um técnico especialista no assunto. "O professor Gallo trabalhou bastante em categorias de base, inclusive na própria seleção brasileira. Ele soube o que fazer com esses garotos. Em vários jogos tivemos cinco atletas da base em campo", contou.

PREPARAÇÃO ADEQUADA!
Segundo Márcio Griggio, diretor de futebol do São Caetano, além da adaptação rápida e do sucesso da base nas mãos de Gallo, quem também fez diferença para o bom desempenho do elenco foi o preparador físico, Elliot Paes.

"Mantivemos as sessões de treinamento dos nossos atletas online, durante a interrupção das atividades em campo, e nos beneficiamos do nosso preparador físico, Elliot, que é um dos melhores que já trabalhei durante toda minha carreira. Ele fez um grande trabalho no grupo", revelou o dirigente, que ressaltou: "O mais importante foi se adaptar rápido à situação e aproveitar os nossos profissionais".

Apesar de o título, de certa forma, não estar nos planos, Carlos nega que a conquista tenha sido uma surpresa. "Pra mim, não foi. No decorrer da competição a gente foi se adequando. Das 26 inscrições possíveis, realizamos apenas a de 16 atletas. Deixamos oito vagas em aberto para a sequência e para a fase final ainda tínhamos como trocar mais quatro pelo regulamento. Teve planejamento. Isso foi somado ao bom desempenho dos meninos da base e dos reforços que contratamos para a fase de mata-mata", ponderou.

SÉRIE D
Agora, o São Caetano tem pela frente a disputa da quarta divisão do Brasileiro. Contudo, o acesso à Série C ficará em segundo plano. Isso porque a equipe já mira o Campeonato Paulista de 2021. Segundo Griggio, o clube aguarda definições da atual gestão e de investidores interessados em comprar o futebol do clube.

"Estamos fazendo alguns cortes para o Brasileiro. Precisamos diminuir nossa folha salarial e, por isso, não faremos grandes investimentos durante a Série D. Nosso foco já é o Paulistão de 2021", explicou o dirigente.