Presidente de clube do Paulista A2 renuncia, mas experiente treinador permanece

Nairo Ferreira esteve à frente do São Caetano por quase três décadas; Azulão conquistou o título estadual de 2004

por Agência Futebol Interior

Nairo Ferreira
Nairo Ferreira
São Caetano do Sul, SP, 03 (AFI) - A dança das cadeiras nas presidências dos clubes de São Paulo segue agitada. Depois de o Guarani (Palmeron Mendes Filho), em setembro, e a Ponte Preta (José Armando Abdalla Júnior), em novembro, foi a vez de o São Caetano, Nairo Ferreira de Souza, neste começo de dezembro, ver seu mandatário renunciar.

O cartola esteve à frente do Azulão desde a fundação do clube, há três décadas. No entanto, na última segunda-feira, registrou em cartório que deixaria o São Caetano, comunicando oficialmente a decisão na manhã desta terça.

Marcelo Villar e Carlos Oliveira com o troféu da Copa Paulista
Marcelo Villar e Carlos Oliveira com o troféu da Copa Paulista

COMPLICOU!
Ele perdera força nos bastidores do azulino ao longo desta temporada após se estranhar com Saul Klein, um dos herdeiros das Casas Bahia.

O empresário é torcedor do Azulão e costumeiramente investia no clube - prática recorrente desde que o São Caetano ascendeu no cenário nacional.

DECISÕES
Roberto Campi - conhecido como Bia - deve assumir o São Caetano Social, em mais uma prova de força de Saul Klein, que conseguirá colocar um aliado à frente.

Além disso, Carlos Oliveira, o Carlinhos, liderará o São Caetano Futebol. Ele era gerente de futebol, tendo atuado na base e no time principal.

TREINADOR FICA
Um dos primeiros movimentos do grupo foi assegurar a permanência de Marcelo Villar como treinador após o título da Copa Paulista. Em 2020, o Azulão disputará o Paulista Série A2 e o Brasileiro Série D.

Roberto Campi
Roberto Campi

NADA FEITO!
Dessa forma, coloca-se um ponto final aos boatos de que o comandante iria se tornar coordenador técnico da Ferroviária, clube que também recebe aporte financeiro de Saul Klein desde o mês passado.

PERÍODO
Nairo Ferreira presidia o São Caetano há praticamente três décadas. No período, o Azulão foi vice-campeão brasileiro em 2000 e 2001 e da Copa Libertadores de 2002, além de ter conquistado o Paulistão de 2004.

Por outro lado, em 2019, o clube azulino foi rebaixado no Paulistão e caiu ainda na primeira fase do Brasileiro da Série D.

O período mais complicado à frente do time do ABC Paulista aconteceu em 2004, quando o zagueiro Serginho morreu após não resistir à parada cardiorrespiratória sofrida no duelo contra o São Paulo, no Morumbi, durante o Brasileirão daquele ano.