Despejado e no aguardo por 'CT misterioso' da Magnum, time da A2 treina longe de casa

Clube do ABC paulista vive a expectativa de receber da nova parceira um novo local para treinamentos

por Agência Futebol Interior

Sorocaba, SP, 27 (AFI) - Oficialmente sem estádio desde o final de outubro, quando deixou o Primeiro de Maio por determinação da Prefeitura, o São Bernardo FC espera receber da nova parceira, a Gold Sports, braço esportivo da empresa Magnum, um novo centro de treinamento. Enquanto o projeto não sai do papel, o elenco se prepara para a disputa da Série A2 do Paulistão em Sorocaba, no centro de treinamento do Atlético.

Tanto o clube quanto a Magnum mantêm em segredo a cidade na qual será construído o novo local de treinos. A tendência é que seja fora do Grande ABC ou da capital paulista, mas não muito distante. Outra questão que segue indefinida é sobre em qual estádio o Bernô mandará seus jogos durante o Paulista.

Os mistérios da administração do São Bernardo não param por aí. O elenco que trabalha em Sorocaba, sob o comando do técnico Marcelo Veiga, é composto por 15 atletas, como reforços já integrados, mas nenhum nome dos novos contratados foi anunciado pelo clube.

CT do Atlético de Sorocaba recebeu a seleção da Argélia durante a Copa de 2014. (Foto: Paulino Menezes/Portal da Copa/ME)
CT do Atlético de Sorocaba recebeu a seleção da Argélia durante a Copa de 2014. (Foto: Paulino Menezes/Portal da Copa/ME)
DESPEJADO
Toda a estrutura que era mantida pelo São Bernardo FC no Primeiro de Maio foi desmontada no, dia 30 de outubro, data limite dada pela Prefeitura Municial de São Bernardo do Campo para que o estádio fosse desocupado. Sem previsão para um novo edital de concessão, o time ainda não sabe onde mandará suas partidas.

O drama do Tigre começou em dezembro de 2018, quando a diretoria foi notificada sobre o fim da concessão que tinha para utilizar o Primeiro de Maio. Segundo a Prefeitura, isso se deu em razão de um pedido do Ministério Público, que questionou a utilização de um bem público por um clube particular, sem contrapartida.

O São Bernardo, no entanto, argumentou que deu retorno ao município por ter arcado com os gastos de manutenção do estádio (gramado, segurança e limpeza), assim como reformas.

A Secretaria de Esportes e Lazer da cidade busca formular um novo modelo de concessão do espaço antes de abrir um novo edital. Atualmente, a Prefeitura cobra aluguel de R$ 3 mil por jogo e R$ 1 mil por treino, tanto do São Bernardo FC quanto do EC São Bernardo.