​Paulistão: São Bento faz dérbi regional com cara de decisão contra o Ituano

São Bento precisa vencer a todo custo; time tem a melhor defesa do estadual, mas o ataque não vai às redes há mais de 300 minutos

por Rivail Oliveira

Sorocaba, SP, 05 (AFI) - O São Bento joga nesta terça-feira diante do Ituano, às 19h15 no CIC, em Sorocaba, o clássico regional que abre a 11ª rodada do Campeonato Paulista. E depois dos resultados do final de semana, somente a vitória interessa ao time comandado por Paulo Roberto Santos, que vem de empate por 0 a 0 fora de casa com o Red Bull.

Na rodada, do grupo C, liderado pelo Palmeiras (20 pontos), o Bentão foi ultrapassado pelo Novorizontino, que venceu de virada o próprio Ituano por 3 a 2. O Azulão é o terceiro com 14 e o Tigre de Novorizonte é o segundo no grupo C, com 15 pontos.

Quanto ao time que joga contra o Ituano, o mistério, como sempre, segue no Azulão. Mudanças podem até ocorrer no time, em relação ao que empatou em Campinas. Porém, a expectativa é que a base seja mantida.

Rodrigo Viana; Régis Souza, Luizão, João Paulo e Marcelo Cordeiro;Fábio Bahia, Diogo Oliveira (Celsinho), Maicon Souza e Everaldo;Lucas Crispim e Lúcio Flávio. Esse pode ser um provável Bentão para encarar o Galo de Itu nesta terça-feira, 19h15 no CIC.

São Bento precisa vencer a todo custo
São Bento precisa vencer a todo custo

INGRESSOS
Para atrair o torcedor, a diretoria do São Bento faz uma promoção para o jogo desta terça-feira às 19h no CIC e vende o ingresso da ferradura (setor de fundo do estádio), ao valor de R$ 10.

MAIS DE 300 MINUTOS SEM MARCAR
Por falar em Paulo Roberto Santos, o técnico falou depois do jogo de sábado em Campinas e disse que o time não está conseguindo fazer o que está criando. Se tem a melhor defesa do torneio, tomando oito gols em dez jogos, o ataque azul tem deixado a desejar e não vai às redes desde a vitória contra o Corinthians, dia 14 de fevereiro, na Arena do Timão, quando João Paulo marcou aos 24 do primeiro tempo. De lá pra cá foram três rodadas em branco: 0x0 Botafogo, 0x1 São Caetano e 0x0 Red Bull. Ou, 336 minutos sem marcar.

Paulo Roberto disse que, como no jogo anterior, o time vem criando: “Na partida anterior e nesta de hoje (sábado), tivemos chances reais com Cordeiro e o Celsinho, e ainda tivemos um gol anulado. Mas foi um resultado importante para o time, o empate fora de casa. Tínhamos planejado dois resultados, a vitória ou somar um ponto”, disse o treinador na entrevista para a imprensa. Segundo ele, o time foi bem no primeiro tempo, o problema foi no segundo, onde demorou para sair de trás e precisaria ter feito mais rápido para explorar o sistema defensivo mais aberto do Red Bull.

FUNDAMENTO
Ainda sobre a perda de gols, o treinador disse que vem trabalhando forte o fundamento, como fez nesta semana com finalizações e ultrapassagens para uqe quando aparecer a oportunidade, do time concluir com sucesso. “Nosso time é o sexto que vem criando mais no campeonato, segundo as estatísticas. Temos criado no mínimo quatro chances por jogo”, comentou.

AS CRÍTICAS

O técnico do Bentão f falou das críticas ao futebol do time, que não tem conseguidoir às redes, embora a campanha seja melhor que do ano passado, onde o Bentão brigou para não cair e nesta temporada luta para jogar as quartas-de-finais.

“Quando você cria e não consegue fazer não é porque a equipe é defensiva. Até entendo esses questionamentos pelo fato do time não estar fazendo o gol, mas não podemos misturar pois se você não faz gol não é porque você não cria; estamos entre as seis equipes que mais criaram chances de gol na competição”, comentou.

Seguiu o treinador em sua análise:” Em todo os times que eu dirijo, quando está sem a posse de bola, temos que ser operários e voltar para marcar .Isso ocorre na seleção brasileira, onde até o Neymar que volta; isso é normal no futebol brasileiro onde um time quando perde a bola se posiciona atrás da linha e volta para marcar. Aliás isso ocorre em todo o mundo, preenche os espaços, aproxima as linhas e quando rouba a bola sai em velocidade”, disse.

MENOR INVESTIMENTO
O técnico explicou que apesar de ser o time de menor investimento, menor estrutura, o São Bento vem bem no Paulistão e isso deve ser levado em conta. E creditou a insatisfação depois dos empates em casa:

”No ano passado brigamos o campeonato inteiro para não cair e neste ano vem sendo diferente. Tenho 40 anos de futebol, já fui torcedor e entendo a insatisfação (de parte da torcida). E muito do que ocorre é pelos empates que tivemos em casa e como foi. Nós conversamos com eles (jogadores), chamamos a responsabilidade de cobranças de algumas coisas até infundadas, que não são verdadeiras, algumas análises precipitadas. Se tivéssemos vencido (nos empates em casa), tudo seria normal, até a derrota para o São Caetano. Mas vamos ter que resolver dentro de campo”, explicou.

 
 
" />