'Joga de terno': ídolo do Santos, ex-volante Renato completa 41 anos

Com 25 anos de carreira e 13 títulos, ex-jogador conta com apenas quatro clubes no currículo durante a sua trajetória

por Federação Paulista (FPF)

São Paulo, SP, 15 (AFI) - Há 41 anos, na cidade de Santa Mercedes, interior de São Paulo e 765 quilômetros de Santos, nascia Renato Dirnei Florêncio, conhecido pela torcida como Renato e até mesmo Renatinho, ex-volante. Ele pode ser considerado um dos maiores jogadores do time alvinegro no século, além de ser ídolo no Sevilla-ESP.

Tudo começou em 1994, em Campinas, vestindo a camisa do Guarani, quando, aos 14 anos, fez uma peneira no clube. Foi para a equipe profissional em 1996, com apenas 16 anos, o que originou o apelido de “Renatinho”. No seu começo de carreira, jogava como meia, mas em um campeonato de base foi recuado a volante e jogou na posição até o final da sua carreira. Até que, em 2000, chegou ao Santos, seu clube de infância, para realizar um sonho de seu e de seu pai.

CHEGADA AO SANTOS
Em seu segundo ano no clube, ainda em 2001, já havia conseguido status de titular e completou a temporada como o jogador que mais jogou com a camisa santista, entrando em campo em 54 oportunidades.

Ídolo do Santos, ex-volante Renato completa 41 anos
Ídolo do Santos, ex-volante Renato completa 41 anos

Mesmo atuano como volante, o atleta nunca levou um cartão vermelho em toda sua carreira. Em 2002, foi peça fundamental para a conquista do Campeonato Brasileiro, participando de todos os jogos do torneio, sem nenhum cartão amarelo na conta. Renato sempre se destacou pela tranquilidade com que jogava.

Ele vestiu a camisa do Santos até julho de 2004, quando foi vendido para o Sevilla-ESP. A equipe espanhola fez o anúncio, classificando o jogador com uma alta qualidade técnica, além de destacar sua presença contínua na Seleção Brasileira, de Carlos Alberto Parreira. Antes de chegar à Europa, Renato ainda participou com destaque no início da campanha do título do Campeonato Brasileiro e levou na mala a conquista da Copa América com a seleção.

SUCESSO ESPANHOL
Na equipe espanhola, foram sete temporadas -sendo 282 jogos e 38 gols. Renato é segundo jogador estrangeiro que mais vestiu a camisa do Sevilla, atrás apenas do atacante Frédéric Kanouté. Renato fez parte da época mais vitoriosa do clube.

Em seu primeiro jogo, no dia 29 de agosto de 2004, Renato já mostrava porque havia sido contratado: a partida terminou em 1 a 0 para o Sevilla contra o Albacete-ESP, com gol do brasileiro. Seu primeiro título veio na temporada seguinte, vencendo a Liga Europa. Enquanto esteve em terras européias, foram oito finais e seis títulos -duas Liga Europa (2005/06, 2006/07), uma Supercopa Europeia (2006), duas Copa Del Rey (2006/07, 2009/10) e uma Supercopa da Espanha (2007). Em maio de 2011, ele acertou o seu retorno para o Brasil para jogar no Botafogo-RJ.

RETORNO AO SANTOS
Após 10 anos, Renato acertou seu retorno à Baixada Santista, para marcar de vez seu nome na história do clube. Venceu dois Campeonatos Paulista, em 2015 e 2016. Ainda em 2016, mesmo aos 37 anos, foi o único atleta do elenco a entrar em campo em todos os jogos do Campeonato Brasileiro. Em 2018, após marcar um gol na goleada sobre o Vitória por 5 a 2 no Campeonato Brasileiro, ele se tornou o jogador mais velho a marcar um gol com a camisa santista em jogos do nacional.

Ao longo de 23 anos de carreira como jogador profissional, ele conquistou 13 títulos: uma Copa América (2004), uma Copa das Confederações (2005), duas Liga Europa (2005/06, 2006/07), uma Supercopa Europeia ( 2006), dois Campeonatos Brasileiros (2002, 2004), duas Copas Del Rey (2006/07, 2009/10), uma Supercopa da Espanha (2007), dois Campeonatos Paulistas (2015, 2016) e um Campeonato Carioca (2013). Ele anunciou sua aposentadoria no final de 2018 e, assim que pendurou as chuteiras, assumiu a posição de executivo de futebol do Santos, cargo que ocupa até hoje.

Letícia Denadai, especial para a FPF