Ex-lateral revela que alguns jogadores derrubaram Mário Sérgio na Portuguesa em 2009

Athirson contou que diversos atletas se mostraram incomodados com a forma de trabalho do treinador

por NETLUSA

São Paulo, SP, 15 (AFI) - Em entrevista exclusiva a NETLUSA na última quinta-feira (14), o ex-lateral esquerdo Athirson relembrou sua passagem pela Portuguesa. Agora técnico, ele explicou sobre os problemas que o técnico Mário Sérgio teve com o elenco da Lusa em 2009, o que culminou na saída do comandante após a eliminação na Copa do Brasil para o Icasa-CE.

“O Mário Sérgio foi sempre um grande profissional, mas ele tinha uma dificuldade de compreensão com os atletas. Lembro que, assim que ele chegou na palestra, perguntou quem era o capitão. Então, falei que era eu e ele mandou ‘por enquanto’. Mesmo assim, íamos trabalhando, sem reclamar de nada. O Fellype Gabriel ficou incomodado naquele momento e pediu para sair. Por isso, ficamos chateados, ele era muito importante para o nosso time. Então, sabendo disso, fomos no professor pedir a volta dele, um cara importante para o grupo e que todos gostavam. Sempre respeitei o profissional, nunca reclamei se iria jogar ou não. Ele me botou de atacante em um jogo e mantive jogando. Roubei uma bola na ponta direita e fiz um gol, deu certo. Nunca tinha discussão com ele, apesar dele ser durão e provocativo, além de desconfiado”, disse.

Athirson revela que ‘alguns jogadores’ derrubaram Mário Sérgio da Lusa
Athirson revela que ‘alguns jogadores’ derrubaram Mário Sérgio da Lusa
Em seguida, Athirson reforçou que não pediu a cabeça do comandante na época.

“Alguns jogadores importantes estavam incomodados e foram falar com o presidente. No entanto, eu não fazia parte desse grupo e nunca fui lá, não concordo com isso. Eu sei quem foi… Quando fui trabalhar na Fox, ele veio me falar que eu o tinha derrubado na Lusa. Então, respondi que ele estava enganado e tivemos até uma discussão feia”, complementou.

O jogador ainda contou que, quando atuava pela Rubro-Verde sentia um desdém por parte da arbitragem.

“Senti, realmente é muito triste, na dúvida era sempre para outro time e isso não era legal. O profissional trabalha da mesma forma e tínhamos um elenco para jogar de igual para igual. Não tinha essa necessidade de prejudicar. Em casa, ainda havia um pouco mais de respeito. Porém, fora de casa fomos prejudicados demais”, destacou.