Paulista A2: 'Lutarei para ajudar a Portuguesa', diz presidente após iniciativa

“Tivemos uma participação na reunião na FPF, mas já distorceram os fatos", afirmou Antonio Carlos Castanheira

por NETLUSA

São Paulo, SP, 31 (AFI) - O presidente da Portuguesa, Antonio Carlos Castanheira, deu entrevista para o Canal do Nicola, no YouTube, na última sexta-feira (27). O dirigente falou sobre vários assuntos e explicou que sua prioridade é que o Campeonato Paulista da Série A2 termine e não haja um acesso coletivo do G8, como foi especulado.

“Tivemos uma participação na reunião na FPF, mas já distorceram os fatos. Ninguém aqui está querendo virar o tapetão, fazer a coisa no jurídico. Minha vontade é que o campeonato continue. Se teve um time prejudicado foi a Portuguesa, que vinha em ascensão. O time embalou, e ia subir, estou convicto disso. Porém aconteceu algo de força maior e culminou na parada do campeonato. A ideia que eu passei é na possibilidade do campeonato não continuar. Eu, como presidente, desejo que ele continue. Não podemos ficar esperando outras ideias de outras pessoas que possam prejudicar a Portuguesa. Lutarei dentro e fora de campo para ajudar a Portuguesa”, explicou.

“A minha ideia é uma solução que contempla a maioria dos clubes, olhando o lado humano da situação, para que se não se penalize o trabalho dos times que estão buscando o acesso. Queremos o campo, mas se ele não vir, não ficarei deitado em berço esplêndido e lutarei pela Lusa”, emendou.

O mandatário ainda falou sobre a situação na Rubro-Verde com a pausa no torneio devido a pandemia de coronavírus.

“Tivemos um baque, perdemos festas e eventos. Temos que seguir buscando alternativas para sair dessa crise. Caso esse assunto se desdobre, não tem muito o que fazer. Vivemos de patrocínios, cotas, eventos e shows, como a maioria dos clubes”, disse.

Foto: Ronaldo Barreto/NETLUSA
Foto: Ronaldo Barreto/NETLUSA
APOIO
Segundo Castanheira, já está consolidada uma parceria com Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo. O mandatário se mostrou contente ao ver o carinho que os demais clubes tem com a Lusa.

“Isso está acontecendo. Quero agradecer ao presidente da FPF, Reinaldo, junto dos presidentes dos quatro clubes grandes. A minha aproximação maior foi com o Leco, presidente do São Paulo, e o Peres, do Santos. Trouxemos o Guilherme Nunes, do Santos, e tentamos alguns do São Paulo, mas não deu certo. Trouxemos também o Kauê, do Palmeiras. O Corinthians cedeu o CT para o Lúcio Flávio treinar e se recuperar da lesão. Me enche de orgulhar saber o quanto gostam da Portuguesa fora do time. O Peres me disse que tem saudade de jogar contra a Lusa. É um clube amado e temos que aproveitar isso. São clubes co-irmãos e será bonito ver novamente a Lusa jogando clássico contra os quatro clubes”, contou.

Ele ainda aproveitou para ressaltar a força da agremiação e mostrar confiança no retorno aos anos de glória da Lusa.

“A Portuguesa nunca vai acabar. Ela tem tradição, história e torcida. Estou aqui por ter a convicção que dá para trazer a Portuguesa de volta. Sei que não é fácil. Aliado a uma estratégia de desenvolver a parte imobiliária, o futebol mais profissional, melhorar o fluxo de caixa sei que a Lusa voltará forte. Tenho convicção total disso e precisamos abraçar o clube”, ponderou.

PÁGINA VIRADA
Castanheira também falou sobre o rebaixamento do clube na Série A do Brasileiro em 2013. Para o presidente, isso é coisa do passado e é preciso olhar para frente.

“Na época, eu era da diretoria de marketing. Eu quero quer que não houve nada de irregular com os dirigentes envolvidos na época. Tenho certeza que não fizeram nada de errado. Se houve, foi uma falha ou algo tão bem feito que foi camuflado… Em ano de Copa do Mundo, a Portuguesa teve que ser defendida no Rio e não em São Paulo. Alguma coisa pode ter sido articulada fora dos olhos da Portuguesa. Acho que passado tantos anos, se ficarmos remoendo isso e não olhar para frente, vai ficar uma marca. Temos que esquecer esses últimos anos que foram negros e olhar para frente. A atmosfera dentro do clube é outra”, contou.

CANINDÉ
Para finalizar, Castanheira ainda disse que a primeira ideia é evitar o leilão para, em seguida, tocar a ideia da construção de uma Arena.

“Se der tudo certo, com os acordos que estamos fazendo, vamos evitar o leilão. O projeto da Arena vem para acertar tudo isso, é o norte da minha campanha. Espero até que até o começo do segundo semestre já tenhamos todos acordos prontos para evitar esse leilão. Já temos o projeto, que estou trabalhando há mais de três anos, para uma arena multiuso”, concluiu.