Deteriorado por eventos, campo do Canindé será reformado

Estádio da Portuguesa será uma das sedes da Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2020

por Agência Estado

São Paulo, SP, 01 - Em vez de jogos, shows e festas. É assim que o estádio do Canindé tem sido utilizado principalmente nos últimos meses.

O último compromisso da Portuguesa em seu campo foi em agosto, quando foi eliminada ainda na primeira fase da Copa Paulista.

Os eventos e um problema na bomba de água fizeram o gramado ficar "desaparecer". O que era verde agora está marrom.

REVITALIZAR

O Canindé sediará a Copa São Paulo de Futebol Júnior em janeiro. Por isso, a Federação Paulista de Futebol (FPF) vistoriou o estádio e aprovou o plano de recuperação do gramado.

A partir da próxima semana, a Portuguesa iniciará a irrigação e, se for necessário, o replantio em alguns pontos.

Gramado do Canindé passará por reformas de olho em 2020
Gramado do Canindé passará por reformas de olho em 2020

Além da competição de base, o clube disputará a Série A2 do Campeonato Paulista a partir de janeiro. O planejamento é mandar todos os seus jogos no Canindé.

ARRENDAMENTO

A Portuguesa tem sobrevivido com o aluguel do Canindé para eventos, porque tem cerca de R$ 350 milhões em dívidas e contas penhoradas pela Justiça.

Com isso, o clube negocia com as empresas que utilizam o espaço em dinheiro em espécie. Os salários dos funcionários estão um mês atrasados.

O Canindé é constantemente procurado para sediar shows. No último sábado, por exemplo, o cantor americano Akon se apresentou no estádio.

AGENDA LOTADA

Há eventos marcados até o fim deste ano, algo que, de acordo com o clube, não prejudicará o trabalho de recuperação do campo.

As empresas que alugam o Canindé são obrigadas a colocar um piso chamado "easy floor", que permite a ventilação do gramado. Ele é instalado na véspera do evento e retirado no dia seguinte.

O clube alega que o principal problema para a deterioração do gramado foi que a bomba de água queimou e demorou para ser consertada.

Por causa dos cerca de 500 processos enfrentados pela Portuguesa na Justiça, o Canindé já foi diversas vezes a leilão, mas não chegou a ser arrematado.