Copa Paulista: 'Não era esperado', diz cartola da Portuguesa após precoce eliminação

Equipe rubro-verde foi lanterna do Grupo 3, com onze pontos em dez rodadas, e só volta a campo em 2020, pelo Paulista da Série A2

por Agência Futebol Interior

São Paulo, SP, 05 (AFI) - A eliminação ainda na primeira fase da Copa Paulista segue repercutindo na Portuguesa. A equipe paulistana foi lanterna do Grupo 3, com onze pontos em dez rodadas, e só volta a campo em 2020, pelo Paulista da Série A2. O gerente de futebol rubro-verde, Rodrigo Eduardo, analisou o desempenho luso.

“De fato, não era esperado por ninguém essa eliminação prematura, mas aconteceu. Futebol prega essas peças. Então, a primeira providência é tentar ser o mais responsável possível, chamar os atletas e outras pessoas que trabalharam no projeto e procurar fazer um acordo, para cada um seguir a vida e evitar com que o clube aglomere ainda mais dívidas", disse em entrevista à Rádio Trianon.

Foto: Bruno Castilho / EC Taubaté - Foto: Bruno Castilho / EC Taubaté
Foto: Bruno Castilho / EC Taubaté
CONTA MAIS
O cartola também comentou a preparação para a competição. Ele lembrou que, nos primeiros jogos como mandante, a Lusa teve que mandar jogos no José Liberatti, em Osasco, por conta de Festas Juninas e Julinas no Canindé.

“A Copa Paulista iria iniciar em agosto, como no ano passado. Por um pedido da maioria dos clubes, alegando que o distanciamento entre o Paulista e a competição dificultaria a manutenção de jogadores, a federação antecipo. Isso atrapalhou na questão dos jogadores emprestados. Sobre o Canindé, a festa junina seria feita na área que falamos ‘área da piscina’, mas a questão da documentação complicou o evento lá, e ele teve que ir para o Canindé (campo), o que nos fez perder três jogos em casa. O que não era algo determinante acabou sendo, porque vencemos jogando no Canindé”, justificou.

“Sobre as contratações, concordo que não deram certo, mas não sei se dá para ser tão crítico ao ponto de dizer que poderiam ter sido escolhidas melhor, porque quando trabalhamos com a questão financeira reduzida, ficamos suscetíveis a algumas coisas. Hoje, eu não aceitaria ser executivo de futebol da Portuguesa, porque chega uma lista com jogadores ‘A, B e C’ como opções, mas olhando a receita, só dá para trazer um jogador ‘F’. É o que tem", completou.