Em carta aberta, jogador cobra salários e critica presidente da Lusa: 'não é digno'

Atleta enviou texto ao Portal NetLusa para expor Alexandre Barros e preferiu não se identificar

por Agência Futebol Interior

São Paulo, SP, 09 (AFI) - Sem calendário desde o dia 19 de setembro, quando foi eliminada da Copa Paulista, a Portuguesa segue vivendo um pesadelo administrativo, sem capacidade para resolver os inúmeros problemas internos. Em carta aberta à torcida, divulgada por meio do Portal NetLusa, um jogador do elenco expôs a administração do clube, criticando a postura do presidente Alexandre Barros em relação aos três meses de salários atrasados.

O atleta em questão não quis se identificar. No texto, ele diz que a atitude do mandatário ‘não é digna de um ser humano’ e afirma que o presidente trata os atletas com descaso, sem atendê-los e mantendo comunicação por terceiros.

Também é relatado que boa parte dos jogadores assinaram a rescisão sem direito a nada e receberam um cheque no nome de Alexandre, mas o pagamento não foi realizado. Ao fim da carta, o atleta ainda pede desculpas a torcia. Segundo informações da Rádio Trianon, a diretoria pagou um mês de salários atrasados de funcionários.

Alexandre Barros não faz boa gestão na Portuguesa. (Foto: Rodrigo Corsi/FPF)
Alexandre Barros não faz boa gestão na Portuguesa. (Foto: Rodrigo Corsi/FPF)

LEIA A CARTA ENVIADA AO PORTAL NETLUSA:

Meus amigos, o que esse Alexandre [Barros, presidente] faz com o pai de família não é digno de um ser humano. Estamos sem receber há três meses, e muitos com contas e pensões atrasadas. Ele não nos atende, e quando precisa falar conosco, manda recado por terceiros. Se não fosse o Augusto (investidor), não receberíamos um mês sequer”, diz um dos trechos.

O terceiro mês de salário venceu e ele (Alexandre) nos chamou para uma reunião. Ele levou uma advogada, que ficou ao seu lado todo o tempo, e expôs que só iria arcar com um mês, porque, segundo ele, iria deixar a presidência do clube. Qualquer atleta que ficasse na Portuguesa ficaria três meses – até dezembro – sem receber (palavras dele).

Ele fez a maioria dos jogadores assinar a rescisão sem direito a nada e deu um cheque do próprio nome, garantindo que pagaria sexta passada (5). Quando chegou no dia, ele não teve coragem de nos informar e mandou uma pessoa nos contar que pagaria hoje (segunda-feira, 8). Para nossa surpresa, logo de manhã, recebemos uma mensagem dizendo que o pagamento não seria realizado.

Podemos não ter conquistado os objetivos dentro de campo e pedimos desculpas à torcida por isso, mas somos seres humanos, pais de família e precisamos do nosso sustento. O Alexandre Barros brinca com a índole do homem.

Torço pela retomada da Associação Portuguesa de Desportos, com pessoas sérias e competentes no comando do clube.

 
 
" />