Ilídio Lico entrega carta de renúncia e deixa presidência da Portuguesa

Jorge Manuel Marques Gonçalves, rival político de Ilídio Lico, assume o clube e deve convocar eleições em 30 dias

por Agência Futebol Interior

São Paulo, SP, 20 (AFI) - Ilídio Lico não é mais presidente da Portuguesa. No começo da noite desta sexta-feira, o ex-dirigente compareceu ao Canindé para protocolar a carta de renúncia ao cargo. O Conselho Deliberativo da Lusa havia aberto um pedido de impeachment contra o mandatário, que preferiu entregar o cargo por conta das pressões de conselheiros e parte da diretoria.

De acordo com o estatuto do clube, o vice-presidente de finanças, Jorge Manuel Marques Gonçalves, rival político de Ilídio Lico, assume o clube e deve convocar eleições em 30 dias. Gonçalves foi o único vice-presidente que não entregou o cargo, todos dos outros também protocolaram a saída do clube nesta sexta-feira.

"Como presidente da nossa Portuguesa, ao invés de união, encontrei resistência e oposição que ao invés de lutar pela reconstrução de nossa querida Lusa, voltaram todas suas forças para combater minha gestão, inviabilizando os projetos de minha diretoria, acabando com minhas forças, comprometendo minha saúde e prejudicando o nosso futuro", escreveu o Lico em sua carta de renúncia.

PROBLEMAS...
As justificativas para a saída de Ilídio Lico, apresentadas desde início pelo COF são: suspensão de pagamentos trabalhistas, retirada do time de campo na primeira rodada da Série B do ano passado que rendeu mais uma multa ao clube, assinatura de contrato com a CAFES (empresa quase tornou parceira) sem a aprovação do COF, ausência do balanço financeiro de 2014 e atraso no pagamento de salários a funcionários e jogadores.

Em uma reunião organizada no dia 05 de março, o Conselho Deliberativo chegou a aprovar o pedido de impeachment do presidente, mas, devido a uma confusão ocorrida minutos antes em que o próprio mandatário chegou a agredir o presidente do COF, José Gonçalves Ribeiro, a votação foi impugnada.

Devido ao fato, agora o COF pede também afastamento de Ilídio Lico do cargo até a aprovação, em Assembleia, do Impeachment.

MAIS DE ILÍDIO LICO

Eleito presidente da Portuguesa por aclamação em novembro de 2013, Ilídio Lico só assumiu o cargo de mandatário no dia 2 de janeiro, ocupando o posto que foi de Manuel Mendes Gregório, o Manuel da Lupa, durante nove anos. Antes, ele foi um líder ferrenho da oposição e chegou a ser vice-presidente de futebol nos anos 1990, quando a Lusa chegou a ser vice-campeão brasileira.

Logo no início de sua gestão, precisou enfrentar os Tribunais, já que o clube tinha acabado de ser rebaixado para a Série B do Campeonato Brasileiro por decisão do STJD, que tirou quatro pontos da Lusa pela escalação irregular do meia Héverton em jogo contra o Grêmio, pela última rodada do Brasileirão de 2013.

Na estreia da Portuguesa na Série B de 2014, diante do Joinville, Ilídio Lico contrariou o COF e pediu para que o então técnico do time, Argel Fucks, retornasse junto com seus jogadores para o vestiário, alegando que uma ação judicial, obtida por um torcedor, obrigava a partida a não ser realizada. Ao final, o STJD concedeu vitória por W.O ao time catarinense e uma multa de R$ 50 mil à Lusa.

Durante toda a campanha do time na Série B, a Portuguesa conviveu com atrasos salariais e inúmeras trocas de técnicos. O resultado foi a pior campanha da história do clube, fechando a competição na lanterna, com apenas 25 pontos e o rebaixamento inédito para a Série C.

 
 
" />