Ídolo da Ponte Preta, Chicão ia às redes pela primeira vez há 39 anos

Ex-atacante é o terceiro maior artilheiro da Ponte Preta, além de conquistar a prata nos Jogos Olímpicos de Los Angeles

por Federação Paulista (FPF)

Campinas, SP, 17 (AFI) - Há 39 anos, Chicão, até então um jovem de apenas 18 anos, marcava seu primeiro gol como jogador profissional com a camisa da Ponte Preta, clube onde fez história. Após ter vencido a Copa São Paulo daquele ano, subiu para o profissional e fez o Santos como a sua primeira vítima.

Naquele domingo, aos 11 do segundo tempo, Chicão chutou forte de fora da área e marcou o único gol da partida, que decretou a primeira vitória da equipe de Campinas no Campeonato Paulista daquele ano, além de quebrar um tabu de oito anos sem vitória sob o Santos jogando no Moisés Lucarelli.

CARREIRA
Este foi apenas o primeiro de 100 marcados com a camisa alvinegra, em seis anos. Chicão é o terceiro maior artilheiro da Ponte Preta, atrás apenas de Dicá, com 133 gols, e Paulinho, com 116. Em 1987, foi para o Santos, onde teve uma passagem discreta, ficando por uma temporada.

Chicão, na equipe da Ponte Preta
Chicão, na equipe da Ponte Preta

Em 1988, transferiu-se ao Coritiba-PR para também marcar história no clube paranaense. Ele vestiu a camisa alviverde por temporadas e meia, com 117 jogos e 65 gols, sendo o décimo maior artilheiro da equipe.

Em setembro de 1991, ele migrou para o Rio de Janeira, para jogar pelo Botafogo. Mais uma vez, deixou a sua marca -foram 32 partidas com a camisa alvinegra e 28 gols marcados. Antes de encerrar sua carreira em 1996, ainda passou por Santa Cruz-PE, Red Bull Bragantino e Remo-PA.

OLIMPÍADAS
Chicão se destacava na Ponte Preta, marcando muitos gols. Em 1984, Jair Picerni convocou o atacante para os Jogos Olímpicos de Los Angeles, nos Estados Unidos. Este foi o primeiro ano que a FIFA liberou a convocação de atletas profissionais para a disputa do torneio de futebol, desde que não haviam jogado uma Copa do Mundo.

O ex-jogador disputou dois amistosos com a Seleção Olímpica, marcando três gols. No torneio, participou de quatro jogos como titular, mas não balançou as redes. Na final, o Brasil perdeu para a França pelo placar de 2 a 0, porém, ficou marcado na história como a primeira medalha de prata nos jogos Olímpicos para a seleção nacional.

Ficha técnica:
Ponte Preta 1 x 0 Santos
Competição:
Campeonato Paulista;
Data:17 de maio de 1981;
Local:Moisés Lucarelli, em Campinas;
Público:12.567 pagantes;
Renda:Cr$ 2.436.600,00;
Árbitro:José de Assis Aragão.
Cartões Amarelos:Humberto, Abel e Osvaldo (Ponte Preta);
Gol:Chicão (Ponte Preta).
Ponte Preta:Carlos; Toninho Oliveira, Juninho, Nenê e Odirlei; Humberto, Osvaldo e Celso; Serginho, Chicão e Abel (Roberto). Técnico:Jair Picerni.
Santos:Marolla; Suemar, Joãozinho, Amaral e Washington; Mococa (Gilberto Costa), Elói e Pita; Osni, Roberto Biônico (Claudinho) e João Paulo. Técnico: Sérgio Clerici.

*Por Letícia Denadai, sob supervisão de Luiz Minici