Por problema médico, presidente da Ponte Preta renuncia. Veja quem assume!

Segundo nota divulgada pelo clube, afastamento de José Armando Abdalla Júnior se dá por 'problemas médicos de alta gravidade'

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 05 (AFI) - José Armando Abdalla Júnior renunciou à presidência da Ponte Preta, a qual ocupava desde janeiro de 2018. De acordo com nota divulgada pelo clube, o afastamento de se dá em virtude de 'problemas médicos de alta gravidade'. Assim, o vice Sebastião Arcanjo, o Tiãozinho, assume o cargo. Ele segue na função até dezembro 2021. Ele, portanto, vai ficar no cargo por mais 25 meses.

Com a saída de Abdalla, toda a diretoria vai colocar o cargo à disposição do novo presidente. Assim, no caso, ele terá a liberdade de escolher com quem deseja trabalhar. Podendo, inclusive, manter algumas pessoas em cargos que considerar importante. Naturalmente que ele vai mudar alguns cargos considerados de confiança.

MUITA CAUTELA
O novo cartola antecipa que as ações neste momento, na semana antecedente ao dérbi, devem ser tomadas com cuidado e que, a princípio, irá conversar com time e funcionários - ele deve se pronunciar à imprensa depois que a situação for regularizada, provavelmente na quinta-feira, 7.

Tiãozinho é homem de confiança do presidente de honra, Sérgio Carnielli, que vai voltar a comandar o clube, bem como levar adiante o seu projeto de construir a Arena Ponte Preta.

EXPLICAÇÃO OFICIAL
Na carta emitida, Abdalla explica que tomou a decisão por respeito e amor à Ponte Preta.

"Meu cardiologista determinou que tirasse uma licença de três meses para fazer um procedimento de angioplastia, pois meu coração está em um estado delicado", revelou.

Mas, além disso, um acordo teria sido fechado na segunda-feira à noite no Conselho Deliberativo que absolveu tanto o presidente como o vice Gustavo Vallio de qualquer envolvimento com as denúncias que pesam contra o ex-diretor de marketing Eric Silveira.

Presidência da Ponte Preta: sai Abdalla, entra Tiãozinho
Presidência da Ponte Preta: sai Abdalla, entra Tiãozinho

E FALOU MAIS...

"Eu teria de deixar a Ponte num momento importante, de planejamento para 2020, e sem garantia de condições para retornar.

Entendo que todos nós, diretoria, conselho e torcedores, queremos o melhor para a instituição e vejo que, em decorrência desta situação, a renúncia é o melhor caminho", emendou.

NA MÍDIA

A notícia de suposta renúncia veio à tona na noite da última segunda-feira, fato negado com veemência pela Rádio 1900, veículo institucional do clube.

No programa 'Ponte em Debate', inclusive, André Carelli, Diretor Social, foi convocado para representar Abdalla e dar a versão a respeito de possíveis fake news.

"Vim a público informar a coletividade pontepretana que essa notícia (renúncia do presidente José Armando Abdalla) é mentira. Estão tumultuando o ambiente da Ponte Preta mais uma vez. Conversei com ele e o Gustavo Valio. Muito me surpreende surgir uma notícia dessa. É uma semana extremamente importante", falou.

NÃO ERA FAKE
"Nós temos o jogo do São Bento e, no final de semana, o dérbi. Infelizmente, as pessoas, de forma maléfica, tumultuando o ambiente do clube. A semana é importante para a Ponte. É muito esperada pela coletividade e bem trabalhada pela diretoria.

Gostaria muito de saber de onde veio a informação de que o presidente renunciou. Nós, da diretoria, não estamos sabendo.

Se ele renunciou, no mínimo, o Abdalla reuniria a Diretoria Executiva e entregaria a carta de renúncia. Ok, todos nós vamos renunciar com ele. A pessoa solta a informação sem antes de nós sabermos? É difícil, isso dói", emendou.

MAIS EXPLICAÇÕES

O diretor, principal responsável pelo projeto de reestruturação do Paineiras, se explicou.

"Fui até a rádio e disse o que disse porque, até ontem à noite, não tínhamos a informação de que o presidente iria renunciar. Tanto é que que ele tinha visita agendada na FPF nesta terça", comentou.

"Naquele momento, efetivamente, tratava-se de fake news, como o próprio Abdalla nos confirmou. Porém, a situação mudou.

Essa notícia nos deixa entristecidos, pois a gestão conseguiu provar que a Ponte Preta caminha e pode caminhar com as próprias pernas", completou.