Kleina, Arena, Sub-23, Carnielli e Dérbi: a primeira entrevista de Tiãozinho na Ponte

Novo presidente da Macaca encarou a imprensa nesta quinta-feira para tratar de inúmeros assuntos

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 07 (AFI) - Dois dias depois de ser confirmado como novo presidente da Ponte Preta, após renúncia de José Armando Abdalla Júnior, Sebastião Arcanjo encarou a imprensa pela primeira vez e fez um balanço de inúmeros assuntos pertinentes aos bastidores clube.

Em longo pronunciamento, Tiãozinho garantiu premiação extra ao elenco em caso de vitória no Dérbi 195, assegurou a continuidade de Gilson Kleina para 2020 - inclusive, em caso de derrota no clássico -, defendeu a construção da Arena, explicou a extinção do sub-23 e ainda revelou de Sérgio Carnielli nas finanças do clube.

GILSON KLEINA

Responsável por assumir a Macaca no início do returno da Série B do Campeonato Brasileiro, Gilson Kleina não tem bons números em sua quarta passagem pelo clube.

Segundo Tiãozinho, Gilson Kleina segue em 2020 - Álvaro Júnior / Ponte Press
Segundo Tiãozinho, Gilson Kleina segue em 2020

Em 14 jogos, treinador soma 14 pontos, com três vitórias, sete empates, quatro derrotas, 14 gols pró, 14 gols contra e 38,1% de aproveitamento.

O comandante, com contrato válido até o final do Campeonato Paulista, teve sequência garantida pelo presidente, apesar do acesso fora de alcance.

"Gilson Kleina é o nosso treinador. Isso eu falei para ele antes do jogo com o América-MG. Liguei para ele e disse que estava encaminhando o tema da presidência. Kleina é o técnico e continua. A Ponte não pode jogar a toalha porque não dá para classificar. Se não dá para brigar pelo título, vamos brigar pela Ponte Preta, pela camisa e pela história", declarou.

"Todo torcedor pontepretano quer isso. Não quer um time que jogue a toalha e se renda. Ainda restam cinco partidas. É necessário terminar o campeonato com dignidade, pensar no futuro, fazer o planejamento e ver contratações, mas o Kleina é o nosso treinador", emendou.

ARENA

A possível construção da Arena foi defendida por Sebastião Arcanjo. A ideia do atual grupo político é iniciar as obras em 2020 - o projeto contempla capacidade para 22.204 pessoas e orçamento estimado em R$ 360 milhões.

Construção da Arena é defendida pelo novo presidente da Ponte
Construção da Arena é defendida pelo novo presidente da Ponte

"A Arena significa colocar a Ponte neste patamar. A história e o passado nos orgulham. Nós precisamos olhar ao futuro, o qual exige gestões modernas, com ética e risco. O futebol não pode ser aventura. Precisamos pensar no salto de qualidade para a Ponte dar. Estou convencido de que a Arena nos projeta ao futuro e, democraticamente, resolver no Conselho", defendeu.

"O que não poderia é interditar o debate e proibir a discussão com base em liminares. Não poderia transformar o debate dos conselheiros e associados ao juiz. Eu nem sei para qual time ele torce. Nós temos de resolver isso dentro de casa. Se depender de mim, a Arena sai do papel. Não é um projeto desarticulado para resolver dívida da Ponte Preta com o Sérgio Carnielli. A Arena está dentro de um contexto de nova filosofia e novo momento", antecipou.

AMADOR

Uma das primeiras medidas do mandatário à frente do cargo máximo da Alvinegra foi a extinção da categoria sub-23, eliminada na primeira fase da Copa Paulista e do Campeonato Brasileiro de Aspirantes neste ano.

"Nós tínhamos despesas, se considerar o sub 23 e a base... a estrutura estava mais inchada. Precisávamos do dinheiro no profissional, e o dinheiro saindo pelo ralo em outras categorias. É olhar isso com calma", lamentou.

"A minha pretensão, estou dialogando com eles, é tentar integrar novamente o profissional com o futebol. Tinha uma distância. Para pegar o jogador e trazer ao profissional, dava um trabalho desgramado. A Ponte tem gestão única. É ver profissionais com perfil para fazer essas pontes, olhar e projetar as carreiras desses garotos. Eles precisam ter referências e sonhar com a oportunidade de atuar no profissional", completou.

SÉRGIO CARNIELLI

Ponte conta com aporte financeiro de Carnielli
Ponte conta com aporte financeiro de Carnielli

Influente no cenário político campineiro desde a década de 90, Sérgio Carnielli, então desafeto do antigo do grupo político, está de volta, pelo menos indiretamente ao poder.

Isso porque Tiãozinho, novo cartola da Macaca, ostenta estreita relação com o presidente de honra, responsável por fazer aporte superior a R$ 100 milhões nos últimos anos.

"Todos sabem da minha relação de confiança e solidariedade com o Sérgio Carnielli. Tenho orgulho disso. Sérgio tem história muito parecida com muitos que estão aqui alheio: começou lá embaixo e chegou onde chegou sem meter a mão no bolso de ninguém. É uma pessoa que temos de valorizar e nos orgulhar. O Sérgio está ajudando. Esse esforço, sob ponto de vista financeiro, ainda tem contribuição e participação dele. Está junto e misturado com a rapaziada", relembrou.

"A Ponte não pode se dar o direito, sob pretexto de andar com suas próprias pernas, de não ter condições de honrar com seus próprios compromissos. É andar com as pernas, as mãos e as cabeças de todos os pontepretanos que querem ajudar a Ponte Preta. Temos de equacionar, entre os esforços, essa dívida. Ainda bem que é com ele. Se fosse outro, poderia cobrar a dívida na Justiça. Nas reuniões com o Sérgio, ele nunca colocou isso como primeiro plano", falou.

DÉRBI

O clássico de número 195, agendado para sábado, no Estádio Brinco de Ouro da Princesa, também foi tema da coletiva.

Se o acesso já é página virada, o objetivo é fazer a trinca em cima do Guarani em 2019 e terminar a Série B de forma honrosa.

Tiãozinho: o novo presidente da Ponte Preta - Luiz Guilherme Martins / Ponte Press
Tiãozinho: o novo presidente da Ponte Preta

"O dérbi é muita entrega dentro de campo e temos de cobrar. Eu gosto muito de dérbi com duas torcidas. Espero que voltemos a ter duas torcidas. Vence quem soa mais, quem corre mais e quem se entrega mais. Vamos fazer conta aqui, mas até amanhã vou conseguir dar um estímulo adicional ao time", citou.

"Espero, seguramente, depois do jogo, comemorar a vitória da Ponte Preta. Tenho certeza de que este time pode entregar mais do que mostrou diante do São Bento. E vai entregar mais. Se corrermos igual ou mais do que foi contra o América, há condições de sair de lá debaixo com a vitória e dançar um pouquinho de samba assim que terminar o jogo", concluiu.