Presidente da Ponte revela atraso salarial de 12 dias e explica saídas de atletas

O mandatário afirmou arcar com todas as dívidas até a próxima sexta-feira

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 08 (AFI) - O ambiente da Ponte Preta está conturbado. Fato que levou o presidente José Armando Abdalla Júnior esclarecer questões em cima de salários atrasados e sobre saídas de jogadores, que foram até a diretoria para pedir uma rescisão contratual, casos de Renato Kayser e Júlio César.

O mandatário garantiu que pagou o direito de imagem dos atletas e que resta apenas quitar o salário do mês de abril. A promessa é que a dívida seja quitada até, no máximo, a próxima sexta-feira.

"É algo que me incomoda muito, não escondo de ninguém a dificuldade no aspecto financeiro vivido pela Ponte. Posso garantir que, na nossa gestão, nunca atrasamos pagamento ou acumulamos meses. Atualmente, são 12 dias de atraso, pois vence no dia 25 de cada mês. O valor de imagem foi pago, falta a carteira. Os atletas estão cientes disso, agimos com transparência, eles sabem das dificuldades e que o pagamento está planejado, no mais tarde, cai na sexta-feira. Estamos trabalhando administrativamente para que saia nesta quinta", explicou o presidente, em entrevista a Rádio 1900.

CONFUSÃO COM JOGADORES

Abdalla deu entrevista nesta quarta - PontePress
Abdalla deu entrevista nesta quarta
Nos últimos dias, o meia Renato Kaysar e o atacante Júlio César pediram para deixar o clube. Na visão do presidente, a não adaptação no clube e os problemas internos foram usados como desculpa. Abdalla acredita que os atletas foram influenciados por outros clubes. O primeiro está na mira da Chapecoense, enquanto o segundo do Coritiba.

"Há controvérsias e fatos irreais. O ponto principal é reformulação de plantel. Sobre o pedido de saída, a questão do contrato firmado entre clube e atleta é uma via de mão. As partes têm deveres e multas contratuais. O Jurídico foi acionado para analisar o caso", afirmou o presidente, que explicou.

"Tenho plena convicção de que a saída deles foi em função de clubes concorrentes, o que deve ser confirmado em breve. Em relação às alegações de ambiente, deixo p/ fora o íntimo de cada um. A partir do momento em que demonstram insatisfação, não vamos nos opor para mantê-lo. Isso não é motivo para se alegar atraso de pagamento. A questão do salário de auxílio moradia não está vinculado ao salário é feito à parte. O Kayser completou um mês recentemente e os compromissos seriam saldados agora. O Júlio César eu posso abrir: o Coritiba veio atrás", concluiu.

Ele ainda prometeu uma reformulação na Ponte para a Série B, a ser realizada durante a Copa América: "Vamos fazer nova reformulação após a parada da Copa América, em virtude da performance do time, que não rendeu o esperado. Aos poucos, colocamos em prática a ideia de mudança no plantel", concluiu.