Série B: Lar da Ponte Preta, Majestoso completa 70 anos nesta quarta

Estádio Moisés Lucarelli foi inaugurado em uma derrota da Macaca para o XV de Piracicaba por 3 a 0, no Paulista Segunda Divisão de 1948

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 12 (AFI) - Todo mundo quer um lugar para chamar de casa. A Ponte Preta tem seu lar, o Estádio Moisés Lucarelli, desde meados do século passado. Popularmente conhecido como Majestoso, o local completa 70 anos nesta quarta-feira. Ele foi inaugurado em uma derrota da Macaca para o XV de Piracicaba por 3 a 0, no Campeonato Paulista da Segunda Divisão de 1948 (equivalente ao atual Paulista A2).

Na ocasião, os dois times estavam no grupo batizado de Série Preta - o Nhô Quim seria o primeiro time a conquistar o acesso ao Paulistão. Apesar do resultado, o confronto foi bastante equilibrado, uma vez que os donos da casa desperdiçaram duas penalidades máximas. O Majestoso foi inaugurado sem a cabeceira de entrada, a qual seria concluída em 1956, e com uma pista de atletismo, exigência feita pelo governo do Estado para a liberação de um milhão de cruzeiros.

Série B: Lar da Ponte Preta, Majestoso completa 70 anos nesta quarta
Série B: Lar da Ponte Preta, Majestoso completa 70 anos nesta quarta

MAIS DETALHES
Além do 12 de setembro, outras datas marcaram a construção do estádio, então com capacidade para 12 torcedores. Cinco dias antes, havia acontecido a missa inaugural, enquanto a pedra fundamental fora lançada em 13 de agosto de 1944. Entretanto, tudo isso só foi possível graças aos amigos Olímpio Dias Porto, José Cantúsio e Moyses Lucarelli.

Série B: Lar da Ponte Preta, Majestoso completa 70 anos nesta quarta
Série B: Lar da Ponte Preta, Majestoso completa 70 anos nesta quarta

Eles angariaram dinheiro para comprar o terreno localizado na antiga chácara Maranhão, no bairro Ponte Preta. Atualmente, o Majestoso faz parte de uma área valorizada na cidade de Campinas.

Entretanto, na época, era uma região distante do centro. Não à toa, havia apenas uma casa no local - inclusive, onde ficava essa construção é atualmente o centro do gramado.

A TORCIDA QUE TEM UM TIME
Um dos maiores orgulhos da torcida alvinegra foi o fato de ela ter sido essencial na construção do Moisés Lucarelli. Afinal, foi ela quem arrecadou o material de construção e encabeçou a “Campanha do Tijolo”, a qual foi iniciada logo após a terraplanagem e movimentou o município por quatro anos.

Série B: Lar da Ponte Preta, Majestoso completa 70 anos nesta quarta
Série B: Lar da Ponte Preta, Majestoso completa 70 anos nesta quarta

Ao longo da semana, caminhões da Companhia Vieira estacionavam na rua Barão de Jaguará para receber doações. Nos finais de semana, os torcedores, acompanhados de dirigentes e até jogadores, colocavam a mão na massa e, literalmente, erguiam o estádio. Os engenheiros responsáveis pela obra foram Alberto Jordano Ribeiro, Eduardo Badaró e Mário Ferraris.

NÃO QUERIA

Patrono do estádio, Moyses Lucarelli não queria ser homenageado e dar nome à casa da Ponte Preta. Assim, a direção alvinegra aproveitou uma viagem à Argentina e grafou o nome dele na fachada - com “i” em vez de “y". Dessa forma, ele não poderia negar a condecoração.

Série B: Lar da Ponte Preta, Majestoso completa 70 anos nesta quarta
Série B: Lar da Ponte Preta, Majestoso completa 70 anos nesta quarta

O APELIDO
O Estádio Moisés Lucarelli recebeu o apelido Majestoso do jornalista Fernando Pannattoni, na sessão Campinas Esportiva, do jornal Gazeta Esportiva.

Isso porque, nos 40, Campinas tinha "apenas" 140 mil habitantes, e o projeto previa receber 30 mil torcedores. Assim, se referiu ao local como um empreendimento "majestoso".

O QUE ACONTECEU?
Limeirense, Moyses Lucarelli morreu em 24 de março de 1978, aos 81 anos, afastado do clube. Apesar do desdobramento para que o estádio fosse construído, alguns conselheiros levantaram dúvidas sobre o dinheiro aplicado na obra, o que lhe irritou bastante.

Para não pairar dúvidas, ele providenciou minucioso relatório de prestação de contas, mas, indignado, nunca mais apareceu no estádio. No final do Campeonato Paulista de 1977, na decisão com o Corinthians, recolheu-se em um apartamento no Guarujá para não ouvir ninguém falar do assunto.

 
 
" />