Vinícius Eutrópio paga por incompetência de dirigentes e é demitido da Ponte Preta

Nomes como Eduardo Batista e Gilson Kleina são ventilados no Moisés Lucarelli

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 14 (AFI) - Alguém sempre tem que pagar o pato. Na Ponte Preta não foi diferente. O técnico Vinícius Eutrópio acabou pagando pela incompetência da diretoria de futebol e deixou o clube. O técnico não resistiu ao empate contra o Botafogo, por 1 a 1, na noite deste domingo, no Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas e acabou demitido ainda nos vestiários.

"Conversamos (dirigentes) e tomamos a decisão pela saída do Vinícius. A partir de hoje, ele não faz mais parte do comando técnico da Ponte. Nós analisamos trabalho e resultado. No período em que ele esteve aqui, o trabalho foi bem feito, mas os resultados infelizmente não vieram. E a gente sabe como as coisas acontecem. Queremos agradecer o Vinícius, mas o momento é de mudança", afirmou o gerente de futebol Gustavo Bueno em entrevista coletiva.

ENTROU EM FRIA...
Contratado em dezembro, Vinícius Eutrópio foi colocado em uma fogueira, já que, depois do bom Campeonato Brasileiro realizado no ano passado, a Ponte Preta perdeu peças importantes. O goleiro Marcelo Lomba retornou ao Bahia, o lateral-direito Rodinei e o zagueiro Renato Chaves foram para Flamengo e Fluminense, respectivamente, o volante Fernando Bob acertou com o Internacional e o atacante Biro Biro retornou ao Fluminense antes de ser negociado como futebol chinês.

O técnico Vinícius Eutrópio foi muito prejudicado pelo trabalho ruim da diretoria na montagem do elenco
O técnico Vinícius Eutrópio foi muito prejudicado pelo trabalho ruim da diretoria na montagem do elenco

Todos os jogadores citados acima eram titulares absolutos e a expectativa da torcida é que chegassem jogadores gabaritados para substituí-los. No entanto, o que se viu foi uma reposição bem abaixo do esperado.

Remanescentes de 2015, os goleiros João Carlos e Matheus receberam um voto de confiança, mas não renderam o esperado e a diretoria teve que, na semana passada, contratar César junto ao Flamengo. Na direita, Nino Paraíba (ex-Avaí) chegou. Setor mais criticado pela torcida, a defesa tem Ferron, Tiago Alves, Fábio Ferreira, Welinton e agora Douglas Grolli - a contratação será oficializada nos próximos dias.

VOLANTES SEM QUALIDADE
Em busca de um "novo" Fernando Bob, a diretoria encheu o elenco de volantes - Jonas, João Vitor, Eurico, Renato e Ferrugem, além dos remanescentes Elton e Marcos Serrato -, mas nenhum deles com a mesma qualidade do ex-camisa 5. Um dos principais problemas do novo time da Ponte, se não o principal, é o setor de criação.

Os dirigentes acharam que Cristian, de 36 anos, daria conta do recado, mas o meia sofreu uma contusão durante a pré-temporada e não tem previsão de volta. No desespero, inscreveu o jovem Ravanelli e, no último sábado, acertou a contratação de Felipe Menezes (ex-Goiás e Palmeiras). Lá na frente, a situação até que é tranquila, pois Rhayner e Wellington Paulista estão correspondendo as expectativas.

"É uma situação lamentável, um momento péssimo da equipe, que está apresentando um futebol pífio. As medidas estão sendo tomadas para que tenhamos uma mudança de postura. Ainda dá tempo para arrumar. Algumas peças estão abaixo do que imaginávamos. O time taticamente também não está do jeito que a gente queria", comentou o vice-presidente Giovanni Dimarzio.

Vinícius Eutrópio deixa a Ponte Preta sem conseguir nenhuma vitória em jogos oficiais - no Paulistão foram dois empates (Linense e Botafogo) e duas derrotas (Oeste e Santos). O único resultado positivo do treinador foi durante a pré-temporada, em um amistoso diante do Votuporanguense, que está na Série A2 do Paulista.

O gerente de futebol Gustavo Bueno assumiu parte da culpa pelo péssimo momento da Macaca
O gerente de futebol Gustavo Bueno assumiu parte da culpa pelo péssimo momento da Macaca

O CULPADO?
O fato é que Vinícius Eutrópio pagou pela incompetência da atual diretoria em remontar o elenco, que sofreu baixas importantes e não tiveram reposições à altura. Além disso, reforços demoraram para serem contratados, o que atrapalhou o planejamento do treinador, que também perdeu o meia Cristian por lesão ainda na pré-temporada e precisou se virar sem um camisa 10.

Na semana passada, o gerente de futebol Gustavo Bueno havia bancado a permanência de Vinícius Eutrópio ao dizer: "Estou satisfeito com o trabalho do Eutrópio. Infelizmente o resultado não está acontecendo, mas temos que dar tempo". No entanto, bastou mais um tropeço em casa e a diretoria caiu na pressão dos torcedores, que protestaram na arquibancada e, no final do jogo, entraram em conflito com a Polícia Militar.

"Eu também sou culpado, porque sou eu quem contrata. A gente esperava um pouco mais da equipe, mas não deu liga. Isso ficou evidente. Temos que ver o momento agora. O momento é de troca e vamos ver como a equipe vai se portar mediante a isso, para que a gente consiga se recuperar no campeonato", disse Gustavo Bueno.

Balançando no Fluminense, o técnico Eduardo Batista é sonho de consumo da diretoria pontepretana
Balançando no Fluminense, o técnico Eduardo Batista é sonho de consumo da diretoria pontepretana

OUTROS NOMES
Nem bem a saída de Vinícius Eutrópio foi anunciada, alguns nomes já começaram a serem especulados nos corredores do Moisés Lucarelli. Dois deles são mais fortes: Gilson Kleina e Eduardo Batista, que estão balançando no Coritiba e no Fluminense, respectivamente.

Filho de Nelsinho Batista, ex-jogador e treinador da Macaca, Eduardo é um sonho de consumo da atual diretoria. PC Gusmão (sem clube) e Léo Condé (Bragantino) também foram lembrados.

"É muito cedo para falar em nomes, ainda estamos com a cabeça cheia, com as situações do jogo. Amanhã (segunda-feira) com mais calma vamos ter uma reunião a analisar nomes que estão disponíveis no mercado e se encaixam no perfil da Ponte. Claro que o Eduardo Batista é um nome que interessa, mas ele está no Fluminense agora", despistou Bueno, que negou ter tido uma reunião com Gilson Kleina no início da semana conforme chegou a ser especulado.

Independente de quem for contratado, o novo treinador terá muito trabalho pela frente, pois vai encontrar uma Ponte Preta em ebulição. Com apenas dois pontos, a Macaca está na lanterna do Grupo B e em 17º lugar na classificação geral, figurando na zona de rebaixamento. O próximo duelo será no sábado, contra o São Bento, às 19h30, no Moisés Lucarelli, pela quinta rodada.

 
 
" />