Luto! Morre histórico zagueiro campeão carioca com o Bangu

Luís Alberto estava na campanha banguense de 1966, quando a equipe alvirrubra venceu o Flamengo, por 3 a 0

por Agência Futebol Interior

Rio de Janeiro, RJ, 21 (AFI) - O mundo do futebol está de luto! Afinal de contas, morreu, na manhã desta quinta-feira, aos 77 anos, o ex-zagueiro e ex-treinador Luís Alberto. Ele faleceu por complicações respiratórias no Rio de Janeiro, onde morava no bairro Bangu.

O corpo será velado e sepultado nesta sexta-feira, no Cemitério de Irajá, na Zona Norte. O ex-atleta e ex-técnico conviva com Alzheimer há seis anos e estava internado no Hospital Eduardo Rabello, em Campo Grande, na Zona Oeste, há cerca de um mês.

Bangu, campeão carioca de 1966. Na foto, em pé, da esquerda para a direita: Mário Tito, Ubirajara, Luís Alberto, Ari Clemente, Fidélis e Jaime; agachados: Paulo Borges, Ladeira, Cabralzinho, Ocimar e Aladim Foto: Reprodução
Bangu, campeão carioca de 1966. Na foto, em pé, da esquerda para a direita: Mário Tito, Ubirajara, Luís Alberto, Ari Clemente, Fidélis e Jaime; agachados: Paulo Borges, Ladeira, Cabralzinho, Ocimar e Aladim Foto: Reprodução
Luís Alberto Alves Severino nasceu em 5 de novembro de 1942 e chegou a defender Flamengo, América Mineiro e Americano, além do estadunidense Houston Stars. Entretanto, a carreira de zagueiro ficou marcada mesmo no Bangu.

Luís Alberto - Foto: Reprodução
Luís Alberto - Foto: Reprodução
Afinal, foi revelado pelo clube alvirrubro e defendeu a camisa banguense na maior parte da carreira. Ao todo, foram 308 partidas, o que o coloca como o décimo atleta que mais defendeu o 'Banguzão'. Além disso, fez parte do elenco campeão carioca de 1966 - o segundo e último do Castor, que vencera o Estadual de 1933.

Aquele título - conquistado em vitória por 3 a 0 sobre o Mengão, em um Maracanã abarrotado com 143.978 torcedores - também representa a última vez que o 'Cariocão' não ficou com Flamengo, Fluminense, Vasco da Gama ou Botafogo.

Depois de encerrar a carreira de defensor, Luís Alberto se aventurou como 'professor' e acabou marcando o Tupi. Em Juiz de Fora, foram 130 confrontos, com 51 vitórias e 42 empates em cinco passagens (1984, 85, 87, 88 e 2000). É o terceiro técnico que mais dirigiu o Galo, atrás apenas de Geraldo Magela (184 partidas) e Zú (179 jogos). Ainda treinou o 'seu' Bangu de 1977 a 1978 e em 1997.

'O Bangu Atlético Clube decreta luto oficial e envia sinceras condolências aos seus familiares', confirmou a instituição alvirrubra em nota oficial.