Musa, filha de Renato Gaúcho revela ter sido agredida por torcedores do Flamengo

Caso acende rivalidade entre as equipes antes da semi da Libertadores

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 13 (AFI) - A decisão da vaga na final da Libertadores promete acirrar ainda mais a rivalidade entre Grêmio e Flamengo. Teve gente que sentiu na pela, literalmente, a tensão antes da partida. Pelas redes sociais, Carol Portaluppi, filha de Renato Gaúcho, técnico do Tricolor, afirmou ter sido agredida por torcedores rubro-negros em uma festa no Rio de Janeiro.

"O que eu tenho para falar aqui é muito triste mesmo. Hoje, pela primeira vez eu, depois de muito tempo, saí com minhas amigas e fui... Não vou generalizar, não vou falar que fui agredida pela torcida do Flamengo, mas vou falar que fui agredida por torcedores do Flamengo.

Fui agredida verbalmente, fisicamente, por torcedores do Flamengo. Infelizmente, eu não estou a fim de botar a culpa no álcool, em drogas, em nada. Acho que nada justifica você agredir uma mulher", disse Carol.

AGRESSÕES FÍSICAS

Além de receber xingamentos, a filha de Renato Gaúcho também disse que sofreu agressões físicas, com empurrões e apertos no braço. Isto quando estava deixando o local. Mesmo assim, ela disse que não sofreu nada grave e que está bem.

"Não é a primeira ver que eu sinto isso - se eu tiver que desabafar aqui, eu falo. Em relação ao futebol, é a primeira vez que eu sinto isso.

Eu sou uma pessoa totalmente da paz, de boa. Graças a Deus, eu estou falando de agressões físicas e não (agressões físicas) sérias, a ponto de machucar seriamente.

Mas agressões, empurrões, apertos no braço palavras ofensivas... Isso, para mim, já é muito importante, é uma falta de respeito sem tamanho, uma coisa que eu não sei nem explicar", acrescentou.

REFLEXÃO MAIOR
Ela ainda aproveitou para refletir sobre o comportamento dos torcedores.

"Fica aqui meu questionamento: até que ponto o futebol é um símbolo de amor? Porque eu jamais iria esperar isso de quem quer que seja, de qualquer torcida que seja.

Eu acho que sempre falei isso e vou reiterar isso: tem que existir rivalidade, mas tem que existir rivalidade do bem, uma rivalidade que seja... Acho que vocês me entendem, uma rivalidade de coração, saudável.

Não isso que aconteceu hoje, entende? Eu estou em casa, estou bem; agora, não vou esquecer os danos que eu sofri e o que eu vivi, e o medo que eu vivi, a decepção que eu vivi. Eu não vou esquecer disso".

Flamengo e Grêmio fazem o segundo jogo da semifinal da Libertadores no próximo dia 23, no Maracanã. No primeiro duelo, houve empate por 1 a 1.