Edinho Nazareth rasga elogios a curso da Licença A e analisa treinamento de zagueiros

Ex-comentarista do SporTV aponta importância de aperfeioçamento teórico-prático para treinadores no Brasil

por Lucas Rossafa

Águas de Lindóia, SP, 10 (AFI) - Edinho Nazareth é um dos profissionais da bola em busca de aperfeiçoamento teórico-prático no Curso Licença A da CBF, promovido entre os dias 04 a 21 de maio, em Águas de Lindóia, no CT Oscar Inn.

O evento conta com participação de vários treinadores do futebol brasileiro. Ele exige 270 horas para conclusão, sendo 190 horas de disciplina teórica e prática de conteúdo especifico, 50 horas de acompanhamento e observação do treinamento e 30 horas de Estudos Especiais e Tutoria - o curso é dividido em módulo amarelo e verde.

SATISFAÇÃO

Foram necessários poucos dias para que o ex-comentarista do SporTV, emissora na qual atuou como comentarista entre 2012 e o início de 2019, ficasse satisfeito com a dinâmica do curso e rasgasse elogios.

Edinho Nazareth cursa Licença A para voltar ao mercado de treinadores
Edinho Nazareth cursa Licença A para voltar ao mercado de treinadores

Edinho ainda alertou sobre a importância dos técnicos se especializarem em busca de novas oportunidades no mercado e aprimoramento.

"A experiência tem sido muito boa. O curso é interessante e importante, não só para as pessoas mais velhas. Aqui, existe qualificação, interação com demais profissionais. As aulas são boas em todos os sentidos. Fala-se sobre tática, transição defensiva, ofensiva, psicologia e Medicina do Esporte. Trata-se de um estudo fundamental para adquirir conhecimento", enaltece.

"Você amplia e abre a sua mente. Aconselho até as velhas gerações, medianas e as novas. O estudo é importantíssimo. Na parte prática, atuamos em grupos. Aprendemos a planejar vários treinamentos, a preparar a nossa equipe e, depois, a jogar contra algum time", emenda.

DISPONÍVEL

Depois de não renovar contrato com o canal esportivo, Edinho aguarda a finalização do curso para, de fato, voltar ao mercado de treinadores. O profissional de 63 anos recebeu, recentemente, sondagens do futebol da Tailândia e da Arábia Saudita e alerta para uma deficiência do futebol nacional.

"Não estendi o vínculo com a ideia é retornar, não sei se a oferta vai continuar. Vou me lançar ao mercado. A carência do Brasil é o treinamento de zagueiro. Em se tratando de uma posição específica, falta gente capaz de treinar e orientar", analisa.

"Além de ter sido zagueiro, preocupei-me com os treinamentos dessa posição, conheço bem os fundamentos específicos e as frustrações de quem atua neste setor. O trabalho deve ser praticamente igual como é feito com um goleiro, quase todos os dias", indica.

COORDENADOR TÉCNICO

O cargo fora dos gramados também não é descartado por Edinho. Na visão do ex-beque, existe a possibilidade de se tornar um coordenador no futuro.

"É fundamental que o profissional deste cargo conheça o futebol, que possa ajudar o treinador, uma posição muito solitária. Acredito que seja necessário alguém para auxiliá-lo a pensar e fazer intermediação entre diretoria e atleta", falou.

CARREIRA

Além do histórico como defensor - Grêmio, Fluminense, Flamengo, Udinese (ITA) e Seleção Brasileira -, Edinho Nazareth já se aventurou na área técnica.

Edinho em atividade prática no curso da CBF
Edinho em atividade prática no curso da CBF

O início da trajetória como treinador foi no Tricolor das Laranjeiras, clube no qual é considerado ídolo, no ano de 1991. Ele também comandou Botafogo, Flamengo, Vitória, Portuguesa, Grêmio, Goiás, Bahia, Brasiliense, Athletico Paranaense, Boavista-RJ, Joinville e Americana (extinto Guaratinguetá). Fora do Brasil, Edinho trabalhou no Marítimo (POR), onde disputou a Copa da UEFA.

"Na época de Europa, o curso de treinador não era obrigatório. Fiz um como ouvinte na Itália. Eu era estrangeiro, mas não tinha a mentalidade de hoje. Este estudo pelo qual estou passando dá vivência de jogo e é muito importante", completa.