ARTILHEIROS 2016: Após diminuir pedaladas, Robinho é o maior goleador do ano

Quando a situação aperta e a responsabilidade é grande, chame ele, o seu camisa 9!

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 30 (AFI) – “Bola na trave não altera o placar”, já diz a famosa música da banda Skank. O que vale mesmo é a rede balançando. E não importa se foi de bicicleta, olímpico, de canela ou barriga, o importante é correr para o abraço. Apesar de não depender apenas deles, são os artilheiros que ficam no centro de atenções no fim de cada temporada. Gols que ajudaram nos títulos ou que salvaram do rebaixamento. Quando a situação aperta e a responsabilidade é grande, chame ele, o seu camisa 9! Relembre agora os artilheiros do Brasil em 2016.

Neste ano, algo curioso aconteceu. Os artilheiro marcaram bem menos em relação à 2015, mas o número de gols dos time continuou na mesma faixa. Isso significa que a briga pela artilharia fugiu do famosos camisa 9 e pode estar em qualquer lugar. Em 2016, quem mais marcou foi Robinho, atacante do Atlético-MG, com 25 gols. E teve gente que quase roubou o posto de artilheiro. Caso de Grafite, com 24 gols, e vários com 23 gols, como Anselmo, do Fortaleza, Bruno Rangel, da Chapecoense, Fred e Kleber Gladiador.

PEDALA ROBINHO? NA VERDADE, NÃO…
Apesar de não conquistar títulos com a camisa do Atlético-MG, 2016 foi um grande ano para Robinho, o Rei das Pedaladas. Após superar a desconfiança, o atacante se tornou uma das peças principais do Galo e marcou 25 gols na temporada – 12 na Série A, nove no Campeonato Mineiro, três na Copa do Brasil e um na Libertadores. No estadual, se consagrou artilheiro com dois hat-tricks.

E quando perguntado sobre o que mudou, Robinho diz que foi a experiência. Melhorou seu posicionamento em campo e, pasme, diminuiu as pedaladas. Apesar de não querer perder sua marca registrada, o atacante prefere chutar mais e dar assistências.

BRASILEIRÃO
Na elite do futebol brasileiro, a disputa foi acirrada e três jogadores dividiram a artilharia. Com 14 gols marcados – menor número da história da competição - , Diego Souza, ou seria Showza, foi o destaque do Sport na temporada.

Fred, do Atlético-MG também marcou a mesma quantidade, ajudando o time a conquistar o quarto lugar e vaga direta na Libertadores. A surpresa fica por conta de William Pottker, da Ponte Preta. Na melhor campanha da história da Macaca, o jogador também balançou as redes 14 vezes.

Já na Série B, Bill, do Ceará, marcou 15 vezes no torneio, mas não conseguiu levar o time à elite do campeonato. Na Série C, Jones, do ABC levou a melhor, marcando 12 gols. Fumagalli, ou Fumagol, do Guarani, ficou em segundo com 9 gols. Na Série D, Manoel Cristiano marcou 10 gols e conquistou o posto mais alto.

VELHO? NINGUÉM DISSE ISSO PRA ELE
Apesar de não conquistar nenhuma artilharia em Campeonatos, Nenê, do Vasco, foi o meia que mais marcou no ano, anotando 21 gols. Neneckenbauer, como é carinhosamente chamado, tem 35 anos e foi o grande destaque na volta do Vasco à elite, marcando 13 gols na Série B, além de sete no Campeonato Carioca, conquistado pelo time. O jogador marcou a mesma quantidade que Gabriel Jesus, por exemplo.

MAIOR ARTILHEIRO DA CHAPE!
Outro grande artilheiro de 2016 deixará saudade. Bruno Rangel, que morreu no trágico acidente envolvendo a delegação da Chapecoense, também entra na nossa lista, muito merecidamente. Afinal, o jogador recusou o dinheiro para ficar na Chape e se tornar o maior artilheiro do Índio Condá com 81 gols. Muito disso se deve aos 23 gols marcados nesta temporada, o que ajudou o time a conquistar a Sul-Americana e vaga para a Libertadores.

CONFIRA A LISTA DOS ARTILHEIROS DE 2016

25 GOLS

Robinho (Atlético-MG)

24 GOLS

Grafite (Santa Cruz)

23 GOLS

Anselmo (Fortaleza), Bruno Rangel (Chapecoense), Fred (Atlético-MG e Fluminense), Kléber (Coritiba)

22 GOLS

Ricardo Oliveira (Santos), Rodrigão (Santos e Campinense), Roger (Ponte Preta e Red Bull)

21 GOLS

Bill (Ceará), Gabriel Jesus (Palmeiras), Hernane (Bahia), Marinho (Vitória) Nenê (Vasco), William Pottker (Linense e Ponte Preta)