ESPECIAL: Futebol pernambucano encerra 2018 em derrocada e cheio de incertezas

Sport foi rebaixado para a Série B, enquanto Náutico e Santa não conseguiram deixar a Série C

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 17 (AFI) - Não foi um ano bom para o futebol pernambucano. Com times expressivos no cenário nacional, o Estado se encaminha para o próximo ano se nenhum representante na Série A do Brasileiro, uma vez que o Sport foi rebaixado. Enquanto isso, Santa Cruz e Náutico não conseguiram deixar a Série C e o modesto Salgueiro foi rebaixado para a Série D.

A última vez em que Pernambuco não teve um representante na primeira divisão nacional foi em 2011, ano em que Sport e Náutico conquistariam o acesso para disputar a competição em 2012.

O Leão caiu logo no primeiro ano e o Timbu em2013, mas os rubro-negro voltaram em 2014 e seguiram na elite por cinco anos, até serem atingidos por uma grande crise administrativa e sucumbirem. Em 2016, o Santa fez breve companhia ao Sport, mas foi rebaixado para a Série D no mesmo.

ILUSÃO?
Um momento dramático como o atual já era esperado por alguns, mas o futebol pernambucano mostrou força em algumas temporadas recentes e talvez tenha ludibriado alguns na percepção da realidade. Em 2015, por exemplo, o Sport brigou diretamente por uma vaga na Libertadores e terminou o Brasileirão em sexto lugar, com 59 pontos, apenas três atrás do quarto colocado São Paulo.

Foto: Ivan Storti
Foto: Ivan Storti
O próprio Santa Cruz, que ficou por muito tempo sumido do cenário nacional, vinha de um ressurgimento surpreendente, e por isso existia uma grande expectativa. Após uma fase nebulosa entre 2006 e 2010, o time começou a se reconstruir em 2011, quando subiu da Série D para a Série C. Dois ano depois, em 2013, saiu da Série C – competição da qual foi campeão – para voltar à Série B, e precisou de mais dois anos para conseguir o acesso à elite, em 2015.

REALIDADE
O problema é que a falta de dinheiro e estrutura foi muito sentida na Série A. Diante deste cenário, o Santa foi rebaixado com apenas 28 pontos somados. No ano seguinte, disputou a Série B ao lado do rival Náutico e ambos fizeram péssimas campanhas. Saldo final: os dois foram rebaixados para a Série C.

Na disputa da terceira divisão nacional, na atual temporada, o Timbu chegou a brigar para não cair, ocupando a lanterna por dez rodadas, mas reagiu e terminou a fase de grupos na liderança do Grupo A. No mesmo grupo, o Santa também avançou, enquanto o Salgueiro foi rebaixado na lanterna. Nas quartas de final, fase que valo o acesso, o Tricolor caiu para o Operário-PR, que terminou como campeão, e o Náutico foi eliminado pelo Bragantino.

Foto: José Tramontin
Foto: José Tramontin
QUEDA
Recentemente, a CBF divulgou o Ranking Nacional de Clube e já foi possível notar o reflexo da crise pernambucano. Até então, o Sport era o líder do Nordeste, posto no qual permaneceu por dois anos. Nesta temporada, foi ultrapassado pelo Bahia. O Santa Cruz, por sua vez, caiu do quarto para o quinto lugar, ultrapassado pelo Ceará. O Náutico é o oitavo, atrás de Fortaleza e CRB.

A situação atual pode gerar impactos na representatividade da Federação Pernambucana de Futebol. Em sétimo lugar no Ranking de Federações, a FPF tem direito a três vagas na Série D, três na Copa do Brasil e uma na Copa do Nordeste. Hoje com 3.923 pontos, ainda tem uma boa vantagem em relação à Bahia, oitava colocada. Ainda assim, a longo prazo, existe um risco real.

 
 
" />