Série C: 'Desvio de caráter', diz presidente do Paysandu sobre sumiço de atacante

Pimentinha ainda não apareceu na Curuzu para tratar do seu futuro no clube, que estuda melhor maneira de rescindir contrato

por Agência Futebol Interior

Belém, PA, 09 (AFI) - Após se recusar a viajar com a delegação do Paysandu para o jogo contra o Tombense, na semana passada, o atacante Pimetinha ainda não apareceu na Curuzu, e a diretoria não tem esperanças de que isso aconteça. A situação causou extremo desconforto, como deixou claro o presidente Ricardo Gluck Paul.

“Não vou comentar para não atrapalhar a solução do problema. Então vamos deixar correr a semana. Se tem uma coisa que não tolero é desvio de caráter”, afirmou o mandatário bicolor em entrevista ao Diário do Pará.

Em busca da rescisão de contrato, a diretoria toma todo o cuidado possível para evitar uma futura complicação em eventual disputa jurídica com o atleta. O procedimento não deve ser fácil, uma vez que ele está emprestado pelo Botafogo-SP. O departamento jurídico do Papão ainda analisa o caso, mas é possível que seja alegado abandono de emprego.

Foto: Jorge Luiz / Paysandu
Foto: Jorge Luiz / Paysandu
O CASO
Relacionado para a partida contra o Tombense, disputada na última quinta-feira, Pimentinha surpreendeu o técnico Hélio dos Anjos ao se recusar a viajar com o restante do elenco rumo a Tombos-MG, local do jogo.

Ao se justificar, o jogador disse que não estava satisfeito com a condição de reserva no clube paraense e que planejava ir embora de Belém. Em outra ocasião, antes do clássico Re-Pa, Pimentinha já havia manifestado a vontade de deixar o clube, mas foi convencido a permanecer após uma conversa com o diretor de futebol Felipe Albuquerque.

Pimentinha tem um histórico de saídas conturbadas, como quando deixou o Botafogo-RJ por divergências com o departamento médico. No próprio futebol paraense, protagonizou um episódio parecido com o atual. Em 2017, se recusou a viajar com o Remo de Belém para Pernambuco.