Árbitro relata gritos homofóbicos em partida do Paulista A3. Confira!

Cléber Luís Paulino apitou a vitória do Linense sobre o Marília, no estádio Abreuzão, em Marília, por 1 a 0

por Agência Futebol Interior

Marília, SP, 28 (AFI) - O Linense visitou o Marília, no estádio Abreuzão, em Marília, na noite do último sábado, e acabou vencendo o clássico regional, válido pela rodada de abertura do Campeonato Paulista da Série A3, por 1 a 0, gol solitário do meia-atacante Thiago Humberto.

A partida, porém, ficou manchada por caso de homofobia. O árbitro do confronto, Cléber Luís Paulino, relatou em súmula que a torcida maqueana ofendeu o goleiro alvirrubro, Vinicius, e a Polícia Militar precisou ser acionada.

"Informo que, aos 25 minutos de jogo, paralisei a partida e solicitei ao quarto ábitro para que informasse aos responsável do policiamento para tomar as medidas cabíveis, pois a torcida da equipe do Marília AC, localizada atrás do gol visitantes, proferiu os seguintes gritos homofóbicos ao goleiro da equipe visitante: 'ooo bicha'. Após a intervenção do policiamento, os atos foram cessados", escreveu o juiz.

O Marília e seus torcedores podem ser punidos de acordo com o artigo 243-G do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), conforme instrução do Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), em agosto de 2019.

Foto: Matheus Dahsan/Marília AC
Foto: Matheus Dahsan/Marília AC
CONFIRA O QUE DIZ O ARTIGO NA ÍNTEGRA
"Art. 243-G. Praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência:

PENA: suspensão de cinco a dez partidas, se praticada por atleta, mesmo se suplente, treinador, médico ou membro da comissão técnica, e suspensão pelo prazo de cento e vinte a trezentos e sessenta dias, se praticada por qualquer outra pessoa natural submetida a este Código, além de multa, de R$ 100,00 (cem reais) a R$ 100.000,00 (cem mil reais).

§ 1º Caso a infração prevista neste artigo seja praticada simultaneamente por considerável número de pessoas vinculadas a uma mesma entidade de prática desportiva, esta também será punida com a perda do número de pontos atribuídos a uma vitória no regulamento da competição, independentemente do resultado da partida, prova ou equivalente, e, na reincidência, com a perda do dobro do número de pontos atribuídos a uma vitória no regulamento da competição, independentemente do resultado da partida, prova ou equivalente; caso não haja atribuição de pontos pelo regulamento da competição, a entidade de prática desportiva será excluída da competição, torneio ou equivalente.

§ 2º A pena de multa prevista neste artigo poderá ser aplicada à entidade de prática desportiva cuja torcida praticar os atos discriminatórios nele tipificados, e os torcedores identificados ficarão proibidos de ingressar na respectiva praça esportiva pelo prazo mínimo de setecentos e vinte dias.

§ 3º Quando a infração for considerada de extrema gravidade, o órgão judicante poderá aplicar as penas dos incisos V, VII e XI do art. 170".