Há 17 anos, Corinthians vencia Paulistão no auge da rivalidade com São Paulo

Rivais históricos, times paulistanos protagonizaram clássicos decisivos em diversas oportunidades antes daquela decisão

por Federação Paulista (FPF)

São Paulo, SP, 22 (AFI) - Rivais históricos, uma decisão envolvendo Corinthians e São Paulo é sempre importante e especial. Ainda mais quando as equipes estão no auge técnico e da própria rivalidade, com seguidos encontros decisivos ao longo dos anos. A final do Campeonato Paulista de 2003, há 17 anos, valia muito mais que a taça daquele ano e o Timão levou a melhor com duas vitórias no estádio do Morumbi.

Desde que fora instituído que o time que vencesse o Paulistão três vezes seguidas ou cinco alternadamente ficaria com a Taça Palácio dos Bandeirantes em posse definitiva, os rivais haviam vencido quatro títulos cada. O São Paulo em 1991, 1992, 1998 e 2000; e o Corinthians em 1995, 1997, 1999 e 2001.

Além disso, o ‘Majestoso’, como é conhecido o clássico entre as equipes, vinha de acontecimentos importantes nos últimos anos. Decidiram o título estadual em 1997 e 1998, com a taça indo para o Corinthians e o São Paulo, respectivamente. Nas semifinais de 1999 e 2000, novamente vitória alvinegra e tricolor, em respectivo. O equilíbrio entre eles, porém, acabou em 2002.

No ano do pentacampeonato mundial da Seleção Brasileira, as equipes voltaram a se enfrentar em decisões importantes. Primeiro na semifinal da Copa do Brasil, quando o Corinthians venceu o primeiro jogo por 2 a 0, mas foi para a decisão - seria campeão ao superar a surpresa Brasilense - ao ser derrotado por 2 a 1 na volta. Dias depois, decidiram o Torneio Rio-SP, e mais uma vez o alvinegro venceu o primeiro jogo -agora por 3 a 2- e ficou com o título após empatar por 1 a 1 na segunda partida.

Em todos estes confrontos anteriores, um dos principais nomes da equipe corintiana era o meia Ricardinho. Revelado pelo Paraná e com passagem pelo futebol francês, o genial meia canhoto chegou ao time do Parque São Jorge em 1997 e foi fundamental no momento mais vitorioso da história do clube.

Após anos de muitas conquistas, Ricardinho mudou de ares, indo para o tricolor em uma negociação bastante polêmica. Desta vez, quem tinha a sua genialidade era o São Paulo, em mais um ingrediente para a apimentar a disputa pelo título.

Foto: Alexandre Battibugli
Foto: Alexandre Battibugli
O ESTADUAL DE 2003
Disputado por 21 equipes em três grupos de sete times, a competição era curta, com apenas 11 datas. Além dos dois melhores de cada chave, classificariam ainda os dois melhores terceiros colocados.

Ambos avançaram na segunda posição de seus grupos. O São Paulo avançou em segundo do Grupo 2, atrás da Portuguesa Santista, enquanto o Corinthians ficou atrás do São Caetano no Grupo 3.

Nas quartas de final, o Corinthians superou a União Barbarense ao vencer por 2 a 1, enquanto o São Paulo derrotou o Santo André -contra quem vivia empatado dias antes- por 4 a 2. Palmeiras e a surpreendente Portuguesa Santista seriam os rivais nas semifinais.

Os alvinegros eliminaram os palmeirenses após empate por 2 a 2 na ida e vitória por 4 a 2, na volta. Os tricolores venceram a candidata a zebra por 5 a 0 no primeiro jogo e 1 a 0 no segundo, garantindo vaga na decisão e a melhor campanha na competição.

A FINAL DE 2003
Se por um lado o Corinthians e sua torcida tinham a confiança dos bons resultados recentes contra o rival para conquistar a 25ª taça estadual, por outro o São Paulo acumulava melhor campanha - nos critérios de desempate - e podia empatar os dois jogos no estádio do Morumbi, dividido entre as torcidas com mais de 70 mil pessoas na decisão, para ficar conquistar seu 21º título paulista. Os times dos técnicos Geninho e Osvaldo de Oliveira fizeram grandes jogos com duas vitórias alvinegras.

Na primeira, em 16 de março, Rogério abriu o placar para o Corinthians, aos 29 e viu Luis Fabiano empatar ainda aos 33 do primeiro tempo. Na segunda etapa, Fabio Luciano colocou os alvinegros na frente, aos 23, enquanto Reinaldo empatou aos 31. Gil deu a vitória ao time do Parque São Jorge com gol aos 38, invertendo a vantagem do empate que agora era corintiana.

Na grade decisão, em 22 de março, portando, há 17 anos, o resultado e a emoção se repetiram com brilho de Jorge Wagner, que tinha a missão de substituir o ídolo Ricardinho. Liédson abriu o placar aos 20 minutos do primeiro tempo e o Corinthians se aproximou muito da taça quando Jorge Wagner ampliou aos 47 da etapa inicial.

Precisando virar o placar para ficar com o título, o São Paulo foi à luta e empatou com Luis Fabiano marcando logo aos 3 minutos e Fabiano aos 17. O título ainda era alvinegro, mas Jorge Wagner garantiu a ida da Taça Palácio dos Bandeirantes ao Parque São Jorge ao marcar o gol da vitória por 3 a 2 aos 43 da segunda etapa.

VEJA OS GOLS DA DECISÃO

Espaço incorporado por HTML (embed)

Espaço incorporado por HTML (embed)

Ficha técnica
São Paulo 2x3 Corinthians

Data: 22 de março de 2003;
Competição: Campeonato Paulista;
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo;
Público: 71.736 pagantes;
Renda: R$ 970.400,00;
Árbitro: Sálvio Spínola Fagundes Filho;
Gols: Liédson, 20’ e Jorge Wagner, 47’ do 1ºT; Luis Fabiano, 3’, Fabiano, 17’ e Jorge Wagner, 43’ do 2ºT;

São Paulo: Rogério Ceni (Roger); Gabriel (Kleber), Jean, Júlio Santos e Fabiano; Fábio Simplício, Júlio Baptista e Ricardinho; Reinaldo, Itamar e Luis Fabiano.
Técnico: Osvaldo de Oliveira.

Corinthians: Doni; Rogério, Fabio Luciano, Anderson e Kleber; Fabinho, Vampeta, Jorge Wagner (Renato Abreu) e Fumagalli (Roger Guerreiro); Gil e Liédson.
Técnico: Geninho.

Por Raoni David