Red Bull Brasil x Ponte Preta - Decisão no Majestoso... Sem torcida da Macaca

A partida é crucial porque pode complicar ainda mais a vida do técnico Eduardo Baptista

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 07 (AFI) - O jogo mais importante da Ponte Preta no Campeonato Paulista vai ser dentro do estádio Moisés Lucarelli, mas sem a presença da sua torcida. Em determinação do Ministério Público, acatada pela Federação Paulista de Futebol (FPF), todos os jogos do clube são com torcida única. Só que o adversário desta quinta-feira, às 21h30, é o Red Bull Brasil, que também manda seus jogos em Campinas e costuma alugar o estádio pontepretano. A partida é crucial porque pode complicar ainda mais a vida do técnico Eduardo Baptista.

Há seis jogos sem vencer, a Ponte despencou na classificação e aparece com 10 pontos, brigando contra a zona de rebaixamento. No Grupo B, o clube ainda tem remotas chances de classificação para a próxima fase, mas uma derrota nesta quinta pode acabar com o sonho. Do outro lado, o Red Bull Brasil vive situação mais tranquila no Grupo D, com 12 pontos, mas, assim como o adversário, precisa vencer para seguir disputando uma vaga nas quartas.

SEM TORCIDA DA PONTE

No jogo do rebaixamento no Campeonato Brasileiro, em 2017, torcedores da Ponte invadiram o gramado e depredaram o Moisés Lucarelli. Como medida preventiva, o Ministério Público determinou ‘torcida única’ nos jogos do clube, tanto dentro, quanto fora de casa. Em fevereiro um grupo de torcedores deu entrada em um processo na Comarca de Campinas e, através de liminar, conseguiram derrubar o pedido da promotoria. Um mês depois, em março, a FPF pediu reconsideração do caso e a ‘torcida única’ voltou mais uma vez.

Justamente por isso, nenhum torcedor da Ponte Preta poderá acompanhar o jogo desta quinta-feira no estádio. Por meio de assessoria, o Red Bull Brasil avisou que qualquer pessoa que tente entrar com adereços do adversário será barrado pela Polícia Militar.

MESMO TIME

Em campo, o técnico Ricardo Catalá não tem problemas para escalar o time do Red Bull Brasil. Sem vencer há três jogos e vindo de um empate por 0 a 0 com o São Bento dentro de casa, o time pode dar sequência aos jogadores. No meio campo, Doriva e João Denoni ainda brigam pela posição para saber quem começar ao lado de André Castro, mas no restante o time segue com a mesma formação.

"A casa é da Ponte, mas são dois times que conhecem bem o campo e que precisam do resultado para alcançar seus objetivos. Vai ser difícil, equilibrado e esperamos fazer um bom jogo", disse o técnico Ricardo Catalá. O zagueiro Tiago Alves completou: "Faltam duas rodadas e ainda estamos na briga por classificação e por vaga na Série D. Estamos trabalhando duro e encarando cada passo com a mesma importância de uma decisão".

MUDANÇAS

Já Eduardo Baptista, que não atravessa um momento fácil com a Ponte Preta, vai ter que mexer no time mais uma vez. Na derrota por 1 a 0 para o Bragantino o meia Orinho recebeu o terceiro cartão amarelo e não joga. Por outro lado, o volante João Vitor e o zagueiro Luan Peres retornam de suspensão. O atacante Felipe Sariva é uma incógnita. Ele vinha se recuperando de lesão e corre contra o tempo para ser relacionado.

“Tenho que trabalhar.Já estou com o foco no Red Bull. Minha preocupação é essa: de montar a equipe, ver se tem jogadores lesionados e pensar no próximo jogo. Temos mais duas partidas em casa e temos que vencer. É difícil, por tudo o que aconteceu, pela juventude da equipe, mas temos que lutar ainda mais para sair dessa situação”, falou Baptista após o jogo com o Bragantino.

Ficha Técnica

Fase
Fase de Grupos
Rodada
11ª rodada
Data
08/03/2018
Horário
21h30
Local
Moisés Lucarelli - Campinas (SP)
Árbitro
Raphael Claus

Renda
R$ 19.820,00
Assistentes
Anderson Jose de Moraes e Alberto Poletto Masseira

Público
692 pagantes (706 total)
Cartões Amarelos
Red Bull Brasil: Claudinho, Tatá
Ponte Preta: João Vítor, Xavier

Red Bull Brasil
Júlio Cesar;
Éverton Silva, Tiago Alves, Anderson Marques e Breno Lopes;
André Castro, Doriva e Éder Luis (Matheus Oliveira);
Deivid (Thomaz), Edmilson e Claudinho (Tatá).
Técnico: Ricardo Catalá
Ponte Preta
Ivan;
Emerson, Renan Fonseca, Luan Peres e Jeferson;
João Vitor, Marciel (Xavier), Daniel (Aaron) e Léo Artur;
Gabriel Vasconcelos (Yuri) e Silvinho.
Técnico: Eduardo Baptista
 
 
" />