Segundona: Paulista quebra série invicta do São José e ainda vira líder

O Galo do Japi mostrou sua força, venceu por 3 a 0 e pegou a liderança do Grupo 4 pelo saldo de gols: 9 a 6

por Agência Futebol Interior

Jundiaí, SP, 14 (AFI) - O Paulista derrubou a série invicta do São José, até então, imbatível no Campeonato Paulista da Segunda Divisão. As duas grandes forças de outrora do futebol de São Paulo se encontraram, nesta tarde, no estádio Jaime Cintra, pela sexta rodada da Segundona. O Galo do Japi mostrou sua força e venceu por 3 a 0.

A derrota deixou a Águia na vice-liderança do Grupo 4, com os mesmos 13 pontos do Paulista, mas perdendo no saldo de gols: 9 a 6. E dependendo do resultado do jogo de amanhã, entre Flamengo e Guarulhos, os joseenses podem cair para a terceira colocação.

Diferentemente do que aconteceu nas cinco primeiras partidas, o São José não teve domínio do jogo e encontrou dificuldades para criar jogadas ofensivas. Diante de um adversário forte, que jogava em casa e ainda não havia sofrido nenhum gol em seu estádio, os joseenses criaram poucos lances de perigo e acabaram sofrendo o primeiro revés no campeonato.

Paulista não deu chances para o São José, que perdeu a invencibilidade
Paulista não deu chances para o São José, que perdeu a invencibilidade

PRIMEIRO TEMPO
Jogando em casa, o Paulista iniciou a partida com mais volume de jogo e criou a primeira situação de ataque aos 5 minutos. Zuquinha chutou de canhota e a bola foi para fora, à esquerda de Agenor. Três minutos depois, Nathan desceu pela direita e cruzou para Quadrado, que subiu bem de cabeça, mas Agenor foi ainda melhor e fez a defesa.

O Galo do Japi teve mais posse de bola desde o apito inicial, apresentou boa troca de passes e encontrou espaços para criar jogadas ofensivas. Por outro lado o São José tinha como sua principal arma os lançamentos longos, sempre interceptados pela zaga adversária.

Aos 22 minutos, o zagueiro Raphael livrou o São José de sofrer o primeiro, tirando uma bola quase na linha do gol. Dez minutos depois o Paulista chegou novamente ao ataque, com o lateral Ian, que levantou na área para Zuquinha, que subiu livre, de cabeça, porém o goleiro joseense Agenor fez uma linda defesa, espalmando para escanteio.

MAIS AO ATAQUE
O Paulista voltou ao ataque aos 34, com o centroavante Wallace, que chegou com perigo, todavia Leo Turbo foi preciso para cortar o lance. Depois de suportar mais de meia hora de pressão dos anfitriões, o São José começou a diminuir os espaços e, nos minutos finais, conseguiu criar as duas primeiras situações de perigo.

Torcida do São José marcou presença no Jaime Cintra
Torcida do São José marcou presença no Jaime Cintra

Aos 41, em cobrança de falta, Denis mandou para a área, e o goleiro André tirou de soco. Leo Turbo pegou o rebote, mas chutou para fora, à direita do gol. Já nos acréscimos, aos 47, Pedrinho desceu pela esquerda e deixou para Luciano Pit, que acionou Vinicius Reis. O camisa 10 da Águia chegou a tirar a bola do arqueiro, porém a zaga do Paulista afastou o perigo, no último lance da etapa inicial.

SEGUNDO TEMPO
A etapa complementar começou como terminou o primeiro tempo, com a Águia no ataque. Logo nos primeiros segundos, falta para o São José. Denis cobrou na área, mas André saiu de soco para afastar o perigo. Aos 9 minutos, contudo, o Paulista também chegou à área joseense e foi a vez de Agenor sair de soco para cortar o lance.

Mostrando um pouco mais de poder ofensivo no segundo tempo, o São José ameaçou os anfitriões novamente aos 15 minutos. Alan Lopes arriscou um chute de longe, porém o goleiro André segurou firme. Como resposta, no minuto seguinte, o Galo chegou ao ataque com o zagueiro Papalégua, de cabeça, para fora.

MAIS CHANCE
Aos 19, Alan Lopes apareceu novamente como opção ofensiva, arrancou e deixou para Pedrinho, que chutou cruzado. Dieguinho não alcançou no primeiro momento, mas conseguiu o domínio e rolou para Denis, que chutou para fora.

Três minutos depois, o Paulista respondeu novamente, com Quadrado, que tentou de cabeça, em dividida com o goleiro Agenor, porém sem sucesso.

Quando parecia que o São José poderia sonhar com algo mais do que o empate no jogo, veio o balde de água fria. Aos 26, Quadrado subiu de cabeça no segundo pau e inaugurou o marcador: 1×0 para os donos da casa. Quatro minutos depois o Galo quase marcou o segundo, em chute seco de Ian, todavia Agenor fez a defesa e a zaga joseense ficou com o rebote.

MAIS INTENSIDADE
O Galo do Japi aumentou a intensidade do jogo e começou a chegar mais, tanto que colheu os frutos dessa pressão, aos 31, com Carlinhos. O camisa 7 aproveitou uma distração dos joseenses e mandou para o fundo da rede, ampliando o placar: 2×0 para o Tricolor de Jundiaí.

Em desvantagem no marcador, a Águia foi com tudo para o ataque e ainda chegou duas vezes com perigo. Aos 36 minutos, Alan Lopes arriscou mais um chute de longe, mas o goleiro André fez a defesa em dois tempos. Aos 41, Miqueias Carioca tentou de cabeça, porém lá estava o arqueiro jundiaiense novamente para defender.

ÚLTIMO GOL
O Paulista, no entanto, não deixou de atacar e Zuquinha chutou de longe, aos 43, para fora. E já nos acréscimos, aos 47, Ian bateu falta, no ângulo, para fechar o placar: 3×0 para o Galo do Japi. O São José volta a campo na próxima sexta, 18, às 20h30, quando recebe o Flamengo, no Martins Pereira, em busca de retomar a liderança do grupo.

FICHA TÉCNICA

PAULISTA 3 X 0 SÃO JOSÉ

Local: Estádio Jayme Cintra, em Jundiaí.
Público pagante: 1.020 torcedores
Renda: R$ 13.070,00
Árbitro: Douglas Marques das Flores
Assistente 1: Paulo de Souza Amaral
Assistente 2: Diogo Correia dos Santos
Gols: Quadrado (26/2ºT), Carlinhos (31/2ºT) e Ian (47/2ºT)
Cartões amarelos: Quadrado, Magno, Papalégua e Zuquinha (Paulista); Leo Turbo e Dieguinho (São José).

Paulista
André; Nathan, Evandro, Papalégua e Ian; Magno, Zuquinha (Moisés), Rafael Sena (Carlos Junior) e Quadrado; Carlinhos e Wallace (Ronaldo).
Técnico: Sergio Caetano.

São José
Agenor; Denis, Raphael, Leo Turbo e Luciano Pit; Gutierrez, Marcelinho (Dieguinho) e Vinicius Reis (Vinicius Barcelos); Erik Bessa (Miqueias Carioca), Pedrinho e Alan Lopes.
Técnico: Ricardo Costa.

(Por André Castanhare)