Paulista fazia história e conquistava a Copa do Brasil há 15 anos

Com uma campanha de superação, o clube de Jundiaí superou o Fluminense na decisão

por Federação Paulista (FPF)

Jundiaí, SP, 22 - 22 de junho de 2005: esse dia certamente jamais será esquecido não só pelos torcedores jundiaienses, mas também para todos os fãs apaixonados por grandes histórias e conquistas inesperadas que apenas o futebol pode proporcionar. Há exatamente 15 anos, o Paulista marcou época e ganhou projeção nacional ao ganhar a Copa do Brasil em cima do Fluminense.

Contando com um elenco que tinha jogadores como o até então jovem zagueiro Revér, o volante Cristian e o meia Márcio Mossoró e liderado por Vágner Mancini, o time do interior paulista derrubou gigantes como Botafogo, Internacional e Cruzeiro antes de chegar à final.

O primeiro jogo da histórica final aconteceu na cidade de Jundiaí, casa do Paulista, no dia 15 de junho de 2005. Atuando diante de uma torcida inflada e que lotou o Jayme Cintra, os donos da casa foram para cima do tricolor carioca.

Apesar disso, os gols dos mandantes só saíram na segunda etapa – Márcio Mossoró marcou o primeiro gol logo aos 3 minutos do 2º tempo, enquanto Léo fechou o resultado que dava uma boa vantagem para o confronto no Rio de Janeiro.

Na partida decisiva, não faltou emoções em São Januário. O Fluminense, precisando do resultado, começou atacando e obrigou o goleiro Rafael a fazer boas defesas para manter o zero no placar. No restante da primeira etapa, o Paulista continuou sendo pressionado, mas conseguiu suportar com sua defesa bem posta.

O segundo tempo contou com a mesma tônica da etapa inicial: o Fluminense pressionando e o Paulista se defendendo. Apesar das tentativas cariocas, realmente o dia era do goleiro Rafael, que contou com uma ótima atuação e segurou o placar zerado até o final do jogo.

Naquele dia, 22 de junho de 2005, o Paulista fez história. O clube de Jundiaí conquistou a Copa do Brasil de 2005 – a segunda conquista seguida de uma 'sensação', já que, no ano anterior, o campeão havia sido o Santo André, também em solo carioca, mas contra o Flamengo.

CAMPANH
Os jogos do Paulista na Copa do Brasil foram dignos de filme, com várias partidas apertadas e emocionantes durante a caminhada rumo ao título. Na primeira fase, o adversário foi o Juventude, que vendeu caro a classificação após uma vitória magra por 1 a 0 da equipe paulista e depois um empate por 1 a 1 na segunda partida.

Na segunda fase, ainda mais emoção, dessa vez derrubando o Botafogo. O time de Jundiaí conseguiu a classificação apenas pelo critério de gols fora de casa, após empate por 1 a 1 dentro de casa e um 2 a 2 no Rio de Janeiro.

Nas oitavas, o time tricolor também não teve facilidade, eliminando o Internacional nos pênaltis. Nas duas partidas, cada equipe venceu por 1 a 0, decidindo a eliminatória na marca do penal – o Paulista ganhou a decisão por 4 a 2.

Foto: Reprodução Facebook/Paulista
Foto: Reprodução Facebook/Paulista

Chegando perto da final, o adversário das quartas foi o Figueirense. O confronto foi decidido novamente nos pênaltis, após vitória por 1 a 0 para cada lado –o time de Jundiaí venceu por 3 a 2.

Por fim, apenas dois jogos separavam o Paulista de fazer história e alcançar a decisão da competição nacional e o rival seria o Cruzeiro. Em duas partidas emocionantes, o clube do interior venceu o primeiro jogo por 3 a 1 e segurou um placar de 3 a 2 a favor dos mineiros na segunda partida, em Belo Horizonte. Com o resultado agregado de 5 a 4, a classificação foi dos paulistas.

Ficha Técnica:
Fluminense 0 x 0 Paulista
(2º jogo da final, Copa do Brasil)
Data: 22/06/2005
Local: São Januário, Rio de Janeiro (RJ)
Público: 25.000 pagantes
Árbitro: Leonardo Gaciba (RS)
Assistentes: Autemir Hausmann (RS) e Roberto Braatz (PR).

Fluminense: Kléber; Schneider (Alan), Antônio Carlos, Fabiano Eller e Juan; Marcão, Preto Casagrande, Juninho (Toró) e Diego Souza (Léo Guerra); Tuta e Leandro. Técnico: Abel Braga.

Paulista: Rafael; Lucas, Anderson, Dema e Julinho; Fabio Gomes, Amaral, Cristian e Juliano (Réver); Márcio Mossoró e André Leonel (Abraão). Técnico: Vagner Mancini.

Natanael Oliveira,
Especial para o site da FPF,
Sob supervisão de Luiz Minici