Referência: último gol da carreira de meia ex-Palmeiras completa três anos

Gol diante do Tucumán-ARG, fez o lateral do Palmeiras se tornar o jogador mais velho a marcar na Libertadores

por Federação Paulista (FPF)

São Paulo, SP, 24 - O futebol e as suas histórias: no dia em que se tornou o segundo jogador mais velho a entrar em campo pela Taça Libertadores da América, Zé Roberto fechou o placar na vitória do Palmeiras, por 3 a 1, diante dos argentinos do Atlético Tucumán, no Allianz Parque. E o gol teve uma importância dupla para a trajetória vitoriosa do ex-jogador, já que o colocou no patamar de ser o atleta mais veterano a ir às redes pelo torneio sul-americano, além de ser o último tento de sua carreira.

SUCESSO
"Sempre busquei dar o meu máximo dentro de campo, sempre entrava no jogo com a cabeça na vitória, era muito competitivo e sempre dei 100%, acho que isso passa para o torcedor e para os companheiros. No fim das contas a torcida quer um jogador dedicado que lute por aquela camisa e isso eu sempre fiz", disse o jogador revelado pela Portuguesa, antes de se consolidar no continente europeu, em especial na Alemanha, além de deixar a sua marca com as camisas de clubes paulistas do Santos e Palmeiras, último clube de sua vitoriosa carreira.

Multicampeão por Real Madri-ESP, Bayern de Munique-ALE, Santos e Seleção Brasileira, Zé Roberto, que defendia o Grêmio, acertou a sua transferência para o Palmeiras no fim de 2014. E o ex-atleta foi peça fundamental em um momento de reconstrução do clube, sendo uma das referências do elenco que estava sendo montado.

Referência: último gol da carreira de meia ex-Palmeiras completa três anos
Referência: último gol da carreira de meia ex-Palmeiras completa três anos
"Eu tive o privilégio de jogar nas maiores equipes do mundo. Joguei com os melhores jogadores da história, participei de duas Copas do Mundo poderia ter ido para uma terceira. Fui vice-campeão em uma delas, em 2006 entrei para os 23 melhores jogadores daquele mundial, ganhei duas taças de prata da FIFA como melhor jogar da partida, algo que jamais sonhei quando era moleque. Claro que sempre quis jogar futebol mas nunca imaginei que minha carreira fosse atingir esse nível, conquistei todos os meus objetivos e títulos no futebol, os que não conquistei acredito ter uma razão que não cabe a mim entender mas tenho que agradecer a Deus porque fui abençoado e pelo legado que deixei", sintetizou o vitorioso jogador.

Ao longo de três temporadas com a camisa do Palmeiras, o veterano atleta alcançou os títulos da Copa do Brasil, em 2015, e do Campeonato Brasileiro, no ano seguinte. O seu último ano no futebol profissional aconteceu em 2017, aos 42 anos. Foi quando o “Vovô Garoto” marcou o seu último gol como atleta profissional.

O GOL
O tento não poderia deixar de ser emblemático, assim como a posição ocupada por Zé Roberto dentro do futebol. O então lateral esbanjava grande forma física mesmo após os 40. E no dia 24 de maio de 2017, ao 42 anos e 10 meses, tornou-se o segundo jogador mais velho a atuar pela Taça Libertadores, atrás apenas do atacante peruano Vicente Villanueva, que defendeu o Sporting Cristal-PER com 43 anos e 10 meses.

"Em determinado ponto tomei a consciência de que meu corpo era meu instrumento de trabalho e que se quisesse prolongar a minha carreira jogando em alto nível, teria que cuidar muito bem dele, então passei a me alimentar melhor, fazia o recovery dos jogos imediatamente depois das partidas e não esperava o dia seguinte como os outros, mantive o foco e a disciplina nos treinos, chegava primeiro e saía por último, me dediquei muito e colho os benefícios até hoje", explicou o ex-jogador.

Além de alcançar a histórica marca, Zé Roberto fez mais e gravou o seu nome de fato na competição sul-americana ao atingir o patamar de ser jogador mais velho a ir às redes. Quando o Palmeiras já vencia os argentinos por 2 a 1, com gols de Mina e Willian, Rodriguez havia descontado para o Atlético Tucumán, o lateral acertou um lindo voleio e garantiu a primeira posição do Grupo 5 ao Alviverde.

"Lembro que foi um passe do Tchê Tchê, ele começou a jogada na intermediária do ataque, fez uma tabela acho que foi com o Michel Bastos, foi até a linha de fundo, eu estava na lateral-esquerda totalmente livre, levantei a mão pedindo a bola, ele me viu e acertou um passe perfeito, “pifada “ como dizemos, a bola veio alta e só tive o trabalho de ajeitar o corpo e pegar do jeito certo na bola, considero um dos gols mais bonitos que fiz e sabia que seria um dos últimos da minha carreira, dediquei para a Lu, minha esposa", recordou Zé Roberto.

Sem conquistar títulos após o término daquela temporada, Zé Roberto decidiu pendurar as chuteiras e virou assessor técnico do Palmeiras. Posteriormente, o ex-lateral passou a promover a marca do clube em eventos mundiais e o cargo foi ocupado por Edu Dracena, que também se aposentou com a camisa palmeirense.

LEGADO
Referência no mundo esportivo, Zé Roberto falou em relação ao seu legado deixado além das quatro linhas. "Acredito que um dos papéis do atleta profissional é servir de exemplo para outros. Meu conselho, que inclusive falo nas minhas palestras, é sobre os cinco pilares da minha carreira, planejar, manter o foco, trabalhar duro, valorizar quem está ao seu lado e disciplina em tudo o que você faz. Dedique-se integralmente a sua equipe e procure ser um líder para ela, se conseguir aplicar pelo menos dois desses pontos, certamente vai atingir seus objetivos", destacou.

Além da ligação com o Palmeiras, o ex-jogador também coleciona projetos pessoais. "Tenho me dedicado em passar meu legado, seja para atletas ou empresas através da minha palestra 'Os 5 pilares de uma carreira vitoriosa'. Tenho planos ainda de fazer alguns cursos fora do país e quem sabe dar continuidade no futebol em alguma área que não seja técnica, mas são apenas planos", finalizou.

FICHA TÉCNICA
Palmeiras 3 x 1 Atlético Tucumán-ARG
Taça Libertadores da América
Local:
Allianz Parque, em São Paulo;
Data: 24 de maio de 2017;
Público: 37.418;
Renda: R$ 2.759.876,21;
Árbitro: Wilmar Roldan (COL);
Assistentes: Eduardo Diaz e John Alexander Leon (COL);
Cartões amarelos: Thiago Santos (PAL); Evangelista, Aliendro e Canuto (TUC);
Cartão vermelho: Gonzalez (TUC);
Gols: Palmeiras: Yerry Mina, Willian e Zé Roberto (SEP); Rodriguez (AT);

Palmeiras: Fernando Prass; Jean, Yerry Mina, Edu Dracena e Zé Roberto; Thiago Santos e Tchê Tchê; Roger Guedes (Fabiano), Guerra (Michel Bastos) e Dudu; Borja (Willian). Técnico: Cuca.

Atlético Tucumán: Lucchetti; Di Plácido, Bianchi, Canuto e Evangelista; Aliendro, Leyes, Álvarez (Cuello) e Barbona; González (Menendez) e Rodríguez. Técnico: Pablo Lavallén.

Por Luiz Minici, especial para FPF