Dudu afirma que elenco do Palmeiras reduziu salários para preservar funcionários

Elenco palmeirense aceitou tanto reduzir os salários em 25%, como também distribuir o pagamento mensal de direitos de imagem

por Agência Estado

São Paulo, SP, 13 (AFI) - O atacante Dudu, do Palmeiras, comentou nesta quarta-feira a situação econômica do futebol brasileiro durante a pandemia do novo coronavírus. Na opinião dele, o time do técnico Vanderlei Luxemburgo teve postura exemplar ao aceitar a redução salarial de 25%, proposta pela diretoria.

Desta maneira, segundo o jogador, foi possível evitar a demissão de funcionários que têm remunerações baixas. Em entrevista à Band, Dudu contou que o elenco não questionou a proposta apresentada pela diretoria para reduzir os salários temporariamente.

"A gente vê outros clubes mandando embora funcionários que ganham R$ 1,5 mil, R$ 2 mil, R$ 3 mil. A diretoria chamou (os jogadores), falou de diminuir salário e dissemos que aceitávamos, mas que não era para demitir funcionários", disse.

Redução necessária. (Foto: Cesar Greco / Palmeiras)
Redução necessária. (Foto: Cesar Greco / Palmeiras)
ECONOMIA!
O elenco palmeirense aceitou tanto reduzir os salários em 25%, como também distribuir o pagamento mensal de direitos de imagem entre alguns meses do próximo ano. A medida serve para o clube economizar, já que, sem calendário, as receitas de bilheteria com jogos e cotas de televisão sumiram. A economia salarial vai se estender também a membros da comissão técnica e da diretoria.

"Como manda embora um roupeiro, por exemplo, que ganha R$ 2 mil? Onde ele vai arrumar trabalho em uma situação destas? Um roupeiro que tem uma família para criar. Ficamos muito felizes pela diretoria estar cumprindo essa palavra", comentou Dudu.

LÍDERES!
No Palmeiras, as conversas sobre redução salarial foram lideradas pelo técnico Vanderlei Luxemburgo e pelo capitão Felipe Melo.

Dudu explicou que, pelo convívio diário com funcionários do Palmeiras, os jogadores torcem para que essas pessoas não sofram com a pandemia.

"São pessoas importantes, que não aparecem, que precisam, que gostam, amam estar no dia a dia do clube. Falo diariamente com eles. Se um cara desse é mandado embora, se mata", disse o jogador.