São Paulo 0 x 1 Palmeiras - Verdão aumenta seca de rival e garante vaga nas quartas

Tricolor não sabe o que é ganhar do rival no Estadual há dez anos

por Agência Futebol Interior

São Paulo, SP, 16 - O Palmeiras foi ao Pacaembu na tarde deste sábado e volta para casa com a missão cumprida. O time bateu o São Paulo por 1 a 0, pelo Campeonato Paulista, garantiu classificação antecipada para as quartas de final e ainda deixou o rival ainda mais em crise. A equipe tricolor corre sério risco de sair do Estadual ainda na primeira fase e ainda deixou o campo sob vaias da torcida.

A chave da vitória palmeirense foi a paciência. Depois de jogar mal no primeiro tempo e não levar perigo, a equipe esperou se organizar para buscar a vitória quando o adversário desse espaço. O objetivo foi cumprido no segundo tempo, com o golaço decisivo marcado por Carlos Eduardo, atacante que fez seu primeiro gol com a camisa alviverde. Ao São Paulo, restou a ira da torcida e o desânimo de ter perdido o terceiro clássico do ano.

COMPLICOU?
A necessidade de ganhar para não correr o risco de ser eliminado deixou o São Paulo acelerado em campo. O time do Morumbi buscava dar toques rápidos e cercar a saída de bola adversária. Deu certo. O Palmeiras não conseguia ameaçar, pois penava para superar a pressão são-paulina. Com Felipe Melo e Moisés muito marcados por Luan e Hudson, a bola sequer chegava ao setor ofensivo.

Já atrás do Ituano, com 17 pontos, o São Paulo soma 14, em segundo lugar no Grupo D, mas pode ser ultrapassado pelo Oeste, que soma 12 e vai visitar o Corinthians no domingo, em Itaquera. Na rodada final, quarta-feira, o São Paulo atuará fora de casa contra o São Caetano. Líder do Grupo B com 22 pontos, o Palmeiras receberá a Ponte Preta, no Allianz Parque, na quarta.

TRUNCADO
Com a postura de trocar passes e esfriar o rival, o Palmeiras passou o primeiro tempo sem finalizar a gol e com alguns sustos na defesa. O São Paulo incomodava principalmente com Antony, Gonzalo Carneiro e Hernanes e deu trabalho para Weverton. A partida cheia de faltas e de lances violentos foi para o intervalo com problemas para o time do técnico Luiz Felipe Scolari, pois levou quatro cartões amarelos e ficou com a dupla de zaga pendurada.

MUDANÇA
A inércia do primeiro tempo fez Felipão mexer no intervalo. Após quase não tocar na bola, Borja saiu e Carlos Eduardo entrou para fazer o Palmeiras tentar igualar a velocidade do São Paulo. Ricardo Goulart virou centroavante, Dudu passou a ser meia e o time finalmente levou perigo. O jogo ficou mais equilibrado, porém continuou com lances violentos, passes errados e poucas finalizações.

O São Paulo sentiu no segundo tempo a perda de Hernanes, machucado, e, sem a liderança técnica, perdeu poder de fogo. O Palmeiras conseguiu controlar o jogo e aos poucos passou a levar perigo. Até que aos 34 minutos, Carlos Eduardo tabelou com Dudu e fez um golaço. O chute forte bateu duas vezes no travessão e entrou. A desvantagem provocou a ira dos são-paulinos nas arquibancadas do Pacaembu.

CLIMA RUIM
A torcida passou a xingar o time, com gritos de "amarelão" e "sem vergonha", além de cobrar contratações e atacar o presidente do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco. Abatido, o São Paulo nem passou perto de conseguir empatar. Os jogadores dentro de campo pareciam sentir vergonha da crise e tristeza pela situação delicada do time, que está perto de mais um vexame.

Ficha Técnica

Fase
Fase de Grupos
Rodada
11ª rodada
Data
16/03/2019
Horário
16h30
Local
Pacaembu - São Paulo (SP)
Árbitro
Thiago Duarte Peixoto

Renda
R$ 689.900,00
Assistentes
Marcelo Van Gasse e Tatiane Sacilotti dos Santos

Público
17.755 pagantes (19.208 total)
Cartões Amarelos
São Paulo: Pablo, Anderson Martins
Palmeiras: Carlos Eduardo, Antônio Carlos, Gustavo Gómez, Moisés , Borja

Gols
Palmeiras: Carlos Eduardo 35' 2T
São Paulo
Tiago Volpi;
Igor Vinícius, Arboleda, Anderson Martins e Reinaldo (Léo);
Luan (Everton Felipe), Hudson e Hernanes (Brenner);
Carneiro, Pablo e Antony
Técnico: Vagner Mancini.
Palmeiras
Weverton;
Mayke, Antônio Carlos, Gustavo Gómez e Victor Luis;
Felipe Melo, Moisés (Bruno Henrique) e Ricardo Goulart;
Gustavo Scarpa, Borja (Carlos Eduardo) e Dudu (Jean)
Técnico: Luiz Felipe Scolari.