Troca de farpas! Marcos chama comentarista de mau-caráter

por Agência Futebol Interior

São Paulo, SP, 05 (AFI) – O goleiro Marcos, do Palmeiras, não gostou dos comentários do ex-meia Neto, atual comentarista da TV Bandeirantes. O arqueiro pentacampeão mundial com a Seleção Brasileira, em 2002, soltou o verbo ao falar do ex-jogador e o chamou até mesmo de “mau-caráter”, ao vivo, em entrevista ao repórter Luiz Ceará, também da TV Bandeirantes.

Veja também:
Palmeiras dá adeus e Santo André vai à semi

"Na minha casa não entra mau-caráter, pois não sou amigo desse tipo de gente. Não sou amigo de quem cospe na cara de árbitro. Nunca pedi para ele me defender, não preciso disso. Sou bem vacinado e sei me defender sozinho", disse o jogador palmeirense.

O fato referido pelo goleiro em que Neto teria se envolvido aconteceu em 1991. Na ocasião, o jogador foi expulso de campo no clássico diante do Palmeiras e como não aprovação à atitude do árbitro José Aparecido de Oliveira e acabou cuspindo no rosto do profissional de arbitragem.

"Acho que ele (Neto) tinha que ter um pouco mais de ética. Ele fica sempre me colocando contra o Rogério (Ceni). Não sou amigo de mau caráter, nunca pedi para ele me defender. Se ele está esperando que eu o agrade para falar bem, pode meter o pau em cima de mim".

Confira o que disse Neto sobre o Marcos em seu blog:
O Palmeiras perdeu para o Santo André e o goleiro Marcos foi muito mal nas declarações no intervalo. Ele disse que a torcida alviverde vai ficar aliviada com sua aposentadoria no final do ano. Grande besteira, né? Soa até como ingratidão! Que o Marcão é um baita ídolo, um excelente sujeito, bom pai e amigo, todo mundo sabe. Mas o que ele tem de diferente de outros jogadores no quesito técnico? Nada! Porque a torcida pode vaiar o Diego Souza e não o Marcos? Se ele erra os palmeirenses tem todo o direito de vaiar. Isso faz parte do esporte. Quer dizer, quando vence tudo está muito bem. Quando perde apela e diz que vai pendurar as luvas. O que é isso, pô? Pra mim o Marcão pisou feio na bola... quer dizer, nas palavras.

Não querendo comparar (até porque comparação com esse goleiro campeão mundial não existe), mas só para exemplificar, quando decidi parar peguei minha chuteira e joguei longe. Não queria mais saber de futebol. Esse talvez seja o grande problema do jogador brasileiro. Dificilmente o cara entende a hora de encerrar a carreira.