Tênis: Atual número 1, Ashleigh Barty anuncia que não jogará em Roland Garros

Apesar de não defender o título em Paris, Barty não terá muito prejuízo no ranking

por Agência Estado

Campinas, SP, 08 - A australiana Ashleigh Barty, número 1 do ranking mundial da WTA, anunciou na noite de segunda-feira que não vai participar da edição de 2020 de Roland Garros, Grand Slam em Paris disputado em quadras de saibro, que neste ano sofreu alteração na sua data original, em maio e junho, por causa da pandemia do novo coronavírus e agora acontecerá entre os dias 27 deste mês e 11 de outubro.

A tenista de 24 anos justificou a sua ausência em Roland Garros, onde é a atual campeã, pelo risco de contaminação pela covid-19, em meio a um recente aumento de casos na Europa, além de citar algumas restrições que ela teria para treinar em seu próprio país. Barty já havia desistido do US Open, Grand Slam que está sendo disputado em Nova York, nos Estados Unidos, pelo mesmo motivo.

Atual número 1, Ashleigh Barty anuncia que não jogará em Roland Garros
Atual número 1, Ashleigh Barty anuncia que não jogará em Roland Garros
"Foi uma decisão difícil de tomar, mas infelizmente eu não vou competir na Europa este ano. A edição de Roland Garros do ano passado foi o torneio mais especial da minha carreira, então não foi fácil tomar essa decisão", disse a australiana por meio de um comunicado oficial.

"Existem duas razões para eu não jogar. A primeira é que a minha saúde ainda corre risco com a covid-19. E a segunda é a minha preparação, que não foi a ideal, já que não posso treinar com o meu técnico por conta das restrições de viagens no meu estado na Austrália", acrescentou a jogadora, que é treinada por Craig Tyzzer, eleito o melhor técnico do ano de 2019.

"Desejo a todas as jogadoras e à Federação Francesa de Tênis o melhor durante o torneio. Agora estou pensando em fazer uma longa pré-temporada e nos torneios da Austrália durante o verão (no hemisfério sul)", acrescentou a jovem australiana, que sonha conquistar um título de Grand Slam em casa. Este ano foi semifinalista do Aberto da Austrália, em Melbourne.

"Este foi um ano muito difícil para todos e embora eu esteja um pouco desapontada, pensando no tênis, a minha saúde e também a da minha família e da minha equipe são prioridade. Muito obrigada a todos os meus fãs por todo o apoio. Não posso esperar para competir diante de vocês de novo", completou.

DE BOA
Apesar de não defender o título em Paris, Barty não terá muito prejuízo no ranking. Isso porque a WTA modificou temporariamente o cálculo da pontuação. Serão considerados os 16 melhores resultados de cada jogadora no intervalo de 22 meses, entre março de 2019 e dezembro de 2020. Na prática, isso isenta as tenistas de defender pontos. E assim ela vai manter os 2 mil pontos conquistados no ano passado.