Paulista A3: Após nove meses sem jogar, zagueiro se recupera e reforça o Noroeste

De contrato renovado com o Norusca, Vitor Gava diz que está 100% pronto e motivado

por Agência Futebol Interior

Bauru, SP, 04 (AFI) - De 11 de março de 2017 pra cá, data da sua última partida oficial na zaga do Noroeste, o zagueiro Vitor Gava passou por momentos de superação. Hoje, de contrato renovado com o Norusca, está 100% pronto e motivado para ser um dentre vários jogadores importantes no sistema defensivo do time.

O atleta, que foi um dos líderes do elenco de 2017 que disputou o estadual, assinou extensão contratual para defender a Locomotiva Vermelha no Paulistão 2019, sob comando do técnico Betão Alcântara. Junto com ele, compõe a zaga noroestina Jean Pierre, Junior Campos e PV. Felipe Merlo, volante de contenção canhoto apresentado recentemente, é outro atleta que também pode ser utilizado como zagueiro pelo treinador.

Vitor Gava, 27 anos, 1,88m de altura, chegou ao Noroeste contratado pelo então diretor de futebol Emerson Carvalho, em dezembro de 2016. O atleta teve boa formação de base no Rio Claro, sua cidade Natal, além de Figueirense e Ponte Preta. No profissional, jogou mais de um ano e meio no FK Senica, da Eslováquia. Defendeu também o Rio Claro e Red Bull na Série A2. Vitor Gava atuou ainda no Ivinhema, da primeira divisão do Mato Grosso do Sul, antes de chegar ao Noroeste.

O CISTO E SUSTO
Gava deixou o time titular na 10.ª rodada do Paulistão de 2017, quando machucou o menisco do joelho direito. Ele falou sobre a recuperação e o “azar” de machucar em outras situações, quando estava recuperado para a Copa Paulista daquele ano e na temporada 2018.

Foto: Bruno Freitas / EC Noroeste - Bruno Freitas / EC Noroeste
Foto: Bruno Freitas / EC Noroeste
“Depois da lesão contra o Marília eu me recuperei rápido, cerca de um mês, mas como não avançamos para a segunda fase, acabei não retornando naquele mesmo estadual. Depois, na pré-temporada da Copa Paulista de 2017, surgiu um cisto na parte posterior do meu joelho direito, que me deixou bastante preocupado e precisei fazer aplicações de medicamentos e retirada do líquido que se formou na perna. O motivo do cisto foi uma frouxidão do ligamento cruzado do mesmo joelho direito, que precisei operar”, explica o atleta.

Vitor Gava foi operado pelo conceituado cirurgião ortopédico Rene Abdalla, no HCor, em São Paulo, que o deixou 100%. Depois deu continuidade com equipe do mesmo médico em Rio Claro e no departamento médico do Noroeste, em Bauru. A reabilitação foi de seis meses, que o tirou do Paulistão 2018. Para a Copa Paulista seguinte, ele estaria novamente em campo, mas fraturou o quinto metatarso do pé direito e ficou 40 dias com pé imobilizado e fazendo fisioterapia.

MOMENTO DIFÍCIL
Em todo este período, Vitor Gava teve que superar não só a dor, mas a frustração de não poder fazer o que mais gosta, que é jogar futebol.

“Eu tenho um sonho desde pequeno, que era ser jogador de futebol. E eu sempre tive dificuldades na vida, mas graças a Deus sempre tive forças para superá-las. Quando machuquei pela última vez pensei que não daria mais, cogitei desistir e parar de jogar, mas o meu sonho de ser vencedor é maior do que tudo. E eu tenho uma tatuagem que diz: ‘tudo passa’, porque acredito que se você está num momento bom é preciso aproveitar o tempo dele", afirmou.

"E se a situação não é boa eu tenho fé que irá ser superada. Agora eu estou bem, sem nenhuma dificuldade e tenho total confiança que neste ano de 2019, no qual teremos muitas coisas boas pela frente”, completa o atleta, que pensa em ser campeão com o Noroeste. Vitor Gava fez gol em um dos amistosos da pré-temporada, na vitória de 1 a 0 diante do Penapolense, que disputará a Série A2.

 
 
" />