Série C: Dois jogadores saem mais cedo de treino e viram dúvidas no Náutico

Wilian Simões e Matheus Carvalho se lesionaram e serão avaliados dia a dia, visando confronto com líder Sampaio Corrêa

por Agência Futebol Interior

Recife, PE, 08 (AFI) - Além de buscar a confirmação da vaga, o Náutico está de olho também na liderança do Grupo A da Série C. Na próxima segunda-feira, às 20h, o time encara o atual líder Sampaio Corrêa no estádio dos Aflitos, pela 16ª rodada.

O técnico Gilmar Dal Pozzo comandou o primeiro treino nesta quinta-feira. Wilian Simões e Matheus Carvalho se lesionaram e serão avaliados dia a dia. O primeiro torceu o tornozelo e o segundo sentiu a panturrilha.

Vale lembrar que Thiago e Paulinho já estão fora do duelo, também machucados. No comando de Dal Pozzo, Thiago participou da metade dos gols do Timbu. A boa notícia ficou por conta do retorno de Odilávio, recuperado de lesão.

O time titular deve contar com: Jefferson; Hereda, Camutanga, Diego Silva e Erick Daltro; Josa, Jiménez, Jhonnatan e Jean Carlos; Álvaro e Rafael Oliveira.


Foto: Matheus Cunha / Comunicação CNC
Foto: Matheus Cunha / Comunicação CNC
JEFFERSON PEDE CONCENTRAÇÃO

O goleiro Jefferson comentou sobre a pressão para o duelo, a expectativa de enfrentar o líder e como a torcida pode ajudar. Veja as falas abaixo.

"Pressão vai sempre existir. Entramos no pensamento que só depende de nós. Há algumas rodadas, a gente jogava e ficava dependendo de outros resultados para pode entrar no G4. Agora é bem diferente. Os outros times é que estão vendo a gente jogar para ver os nossos resultados e só dependemos de nós", afirmou.

"Temos que entrar focados nesse jogo (contra o Sampaio Corrêa), porque será bastante difícil. Contamos com o apoio do nosso torcedor porque eles foram importantes nos jogos que já tivemos dentro de casa e dessa vez não será diferente. O foco tem que ser maior do que foi no jogo passado", alertou.

"Sabemos da responsabilidade que é, mas não podemos perder a alegria e a vontade de jogar. Se entrarmos nós mesmos nos pressionando, fica difícil de fazer um bom jogo. Por mais que o professor nos cobre, nós nos cobramos também com relação à concentração", concluiu.