Decisão da CAS sobre exclusão do Milan de torneios europeus deve sair nesta sexta

"É difícil falar sobre sensações depois de uma audiência tão longa, foi muito intensa", disse o diretor-geral milanista, Marco Fassone

por Agência Estado

Campinas, SP, 19 - Após audiência na Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) nesta quinta-feira, o Milan aguarda para esta sexta o parecer do tribunal sobre o recurso impetrado contra punição imposta ao clube, de dois anos sem poder disputar competições europeias. A sanção foi aplicada pela Uefa por causa de desrespeito ao Fair Play Financeiro da entidade.

"É difícil falar sobre sensações depois de uma audiência tão longa, foi muito intensa", afirmou o diretor-geral do Milan, Marco Fassone, na saída da sede da CAS, em Lausanne, na Suíça.

Decisão da CAS sobre exclusão do Milan de torneios europeus deve sair nesta sexta
Decisão da CAS sobre exclusão do Milan de torneios europeus deve sair nesta sexta
Se reverter a decisão, o clube italiano terá o direito de disputar a Liga Europa na próxima temporada. Se confirmada a punição, a Atalanta, que terminou em sétimo lugar na última edição do Campeonato Italiano, ficará com a vaga direta nesta competição continental, enquanto a Fiorentina disputará a fase prévia para tentar se garantir no torneio.

O Milan foi representado na audiência por Fassone, pelo gerente de portfólio do fundo Elliott Management, Franck Tuil, pela gerente financeira do clube, Valentina Montanari, e por um corpo de advogados, que contava com o especialista em disputas desportivas Antonio Rigozzi.

"Tentamos reunir todas as nossas possibilidades em termos de apoio jurídico e a presença de Tuil deu mais apoio à tese que já havíamos explicado no passado à Uefa, mas a presença física, agora que houve uma mudança de acionista, certamente é significativa. Esperamos a sentença amanhã (sexta)", comentou Fassone.

Decisão da CAS sobre exclusão do Milan de torneios europeus deve sair nesta sexta
Decisão da CAS sobre exclusão do Milan de torneios europeus deve sair nesta sexta
Em abril de 2017, o Milan foi vendido pelo político Silvio Berlusconi, por quantia avaliada em 740 milhões de euros (cerca de R$ 2,4 bilhões na cotação da época), mas a holding Rossoneri Sport Investment Lux, do empresário chinês Li Yonghong, perdeu neste mês a posse do clube para o fundo de gestão de investimentos Elliott Management.

A instituição financeira norte-americana informou, no último dia 11, que assumiu o controle das operações do Milan, porque Li Yonghong não pagou empréstimo avaliado em 300 milhões de euros (cerca de R$ 1,3 bilhão). Na temporada passada, o empresário investiu mais de 200 milhões de euros (aproximadamente R$ 893 milhões) em contratações, mas a equipe não conseguiu mais do que um sexto lugar no Campeonato Italiano.